TELECOM

AGU tenta tirar dívida com Anatel da lista de credores da Oi

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/06/2017 ... Convergência Digital

A AGU formalizou o pedido para que R$ 11 bilhões em multas aplicadas pela Anatel saiam do processo de recuperação judicial da Oi. Como sustenta a Advocacia-Geral da União, são créditos públicos e portanto não podem se sujeitar à negociação com os credores privados da operadora – a começar porque tal negociação é impossível ao Estado. 

“Os créditos públicos estão sujeitos a regramentos legais completamente distintos dos créditos privados, não sendo passíveis de negociação própria dos credores privados que gozam de ampla liberdade para dispor de seus direitos”, diz o pedido de impugnação feito pela procuradoria federal especializada da agência. 

Para os procuradores federais, a separação do que seriam créditos tributários e não tributários, como adotada pelo administrador judicial, não muda o fato de que são antes créditos públicos. “O administrador judicial concluiu que o crédito de natureza não tributária da Agência Nacional de Telecomunicações, o que inclui a multa administrativa, que corresponde à maior parcela do débito, submete­se ao processo de recuperação judicial. (...) [A] natureza pública do crédito torna incompatível sua inclusão no Plano de Recuperação Judicial e sua sujeição ao Juízo da Recuperação Judicial.”

Ao munir-se de argumentos para tirar as multas da negociação de credores da Oi, a AGU acaba por atacar o que a Anatel vem tentando fazer com as operadoras em geral – e com a Oi especificamente: negociar termos de pagamento das multas devidas. “Para os créditos de pessoas jurídicas de Direito Público, qualquer hipótese de quitação diversa do pagamento integral à vista depende de edição de lei. (...) A única hipótese possível para fins de celebração de acordo é a concessão de parcelamento nos moldes previstos pela legislação”. 

Embora a AGU mencione essas restrições atreladas a créditos inscritos em dívida ativa, portanto já fora da esfera administrativa da Anatel, também entende que o conceito abarca mais do que isso, seja ao alegar que “os créditos não tributários das pessoas jurídicas de Direito Público são inegociáveis” ou ainda que “há vedação legal expressa para a Agência negociar seus créditos, valendo advertir o risco de responsabilização pessoal de servidores caso aceitassem um plano de recuperação que previsse regras diversas das previstas em lei”. 

E conclui: “Qualquer tratamento a ser conferido aos créditos públicos requer previsão legal expressa e específica, não se admitindo uma plena negociação tal qual ocorre numa Assembleia de Credores, em que são discutidos cortes, níveis de descontos, alongamento negocial da dívida, conversão de direitos em ações, etc.” 


Oi sobe o tom e diz que acusações da AIDMIN são 'irresponsáveis e vazias'

Em nota oficial, operadora diz que foram proferidas acusações desprovidas de fundamentos pela 'suposta representante de minoritários' e diz que "os ataques não passam de denúncias vazias lançadas irresponsavelmente, contra a companhia".

Justiça impõe derrota aos acionistas minoritários da Oi

Determinação é para que Junta Comercial e CVM desconsiderem decisões da Assembleia Geral que mudou diretoria. 

Senado atrela renovação de outorgas ao bloqueio de celular em presídio

Projeto prevê uso do Fundo Penitenciário Nacional para a instalação dos bloqueadores, mas emenda admite que o custo seja repassado às operadoras e que licenças só sejam renovadas se medida for aplicada. 

AT&T prepara a venda do controle da Sky no Brasil

Operadora norte-americana teria pedido aos órgãos reguladores um pedido de IPO para vender suas ações na DirecTV Latin America, dona da Sky Brasil, ainda no primeiro semestre. A Sky está no segundo lugar no mercado de TV paga no Brasil.

Governo pede aprovação do PLC 79/16 em mensagem ao Congresso

“Faz-se necessária uma reforma regulatória que busque atualizar a legislação em vigor, visto que a concessão de telefonia fixa se torna cada dia menos atrativa, gerando riscos para a continuidade do serviço”, sustenta o Executivo.

TIM se prepara para sair da 'zona de conforto' na banda larga fixa

Operadora planeja ir além dos mercados do Rio de Janeiro e de São Paulo, revelou Stefano De Angelis. Ultra banda larga é uma janela de oportunidade para não ser perdida.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G