Convergência Digital - Home

Multicloud da Vivo chega ao Brasil ainda em 2017

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Rodrigo dos Santos - 16/06/2017

Com o lançamento do Vivo Cloud Plus, um portal de autosserviço para a aquisição de nuvem híbrida, a Vivo quer ir além no processo de virtualização, explica o gerente de cloud da operadora, Sandro Bertelli. Segundo ele, quando se discute virtualização hoje não se pensa apenas nos servidores, mas em todas as camadas de infraestrutura, entre eles, rede, storage e até mesmo na aplicação.

"Ter todo esse processo virtualizado é uma das funções do data center definido por software", afirma Bertelli. Indagado sobre o multicloud, o gerente da Vivo afirma que essa é a próxima onda do mercado de cloud computing.

Mas adverte: multicloud não é apenas desenvolver aplicações para nuvem pública ou privada. Mas, sim, viabilizar uma integração, com serviços como cobrança (billing) comum. A Telefônica/Vivo está em fase final de desenvolvimento de uma solução global e deverá apresenta-la ao mercado ainda em 2017. Assistam a entrevista com Sandro Bertelli, da Vivo.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Multicloud é a estrela do orçamento na TI

Estudo da Red Hat, feito com 400 clientes, em 47 países, mostra, no entanto, que um terço delas não indicou uma política efetiva de uso de cloud.

Quase metade das empresas brasileiras não virtualizou storage, backup e proteção de dados

É inevitável mexer no sistema legado atual para acelerar a jornada para a transformação digital, revela levantamento da IDC Brasil, contratado pela Dell.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site