Home - Convergência Digital

Rede nacional exclusiva para Internet das Coisas será ativada em setembro no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 09/08/2017

A primeira rede nacional exclusiva para Internet das Coisas será ativada em setembro no Brasil pela WND Brasil, representante do grupo mundial Sigfox. A infraestrutura chega com presença nas principais capitais do país e também com forte atuação no estado do Mato Grosso e no interior de São Paulo, para atender ao agronegócio.

A rede funcionará em 902 Mhz, frequência não licenciada, com a tecnologia LPWA (que pode ser traduzido como área ampla com baixo consumo de energia), o que facilita o modelo de negócios para consolidar as aplicações de IoT. Segundo a GSMA, as redes LPWA vão trafegar, em 2022, aproximadamente 1,4 bilhão de objetos conectados.

"Não podemos enxergar IoT pensando na infraestrutura da telefonia móvel. São diferentes. A rede IoT vai cobrar por byte e não por Megabyte. O modelo de negócio é outro. É no volume. A WND Brasil investe apenas na conectividade, mas com a rede nacional vamos incentivar toda a produção de hardware e software. Tenho convicção que IoT terá um boom de fabricação local de sensores no Brasil", afirma o presidente da WND Brasil, Alexandre Silva Reis.

O modelo de negócio da rede nacional de IoT será diferente. O custo da conexão ficará em US$1/ano. "O custo da conectividade hoje no Brasil é proibitivo porque se pensa em Megabytes. IoT não precisa disso. IoT é byte. Por isso, a rede é pensada tão somente para objetos conectados", acrescenta Silva Reis. A Sigfox, parceira da WND Brasil, está fazendo a parte dela. Uma primeira ação foi a não cobrança de royalties no chip para IoT.

"Se hoje um chip LTE custa em torno de US$ 15 e há uma projeção de cair para US$ 5, o chip de IoT da Sigfox sai a US$ 2.8 e há projeção para ficar abaixo de US$ 1. Não haverá Internet das Coisas se a rentabilidade não vier do volume vendido", destaca ainda Silva Reis. O COO da WND Brasil descarta rivalidade com as operadoras de telecomunicações. Tanto que a Telefónica e a NTT DoCoMo já são parceiras.

"Nós vamos atuar na base da pirâmide da Internet das Coisas. As operadoras terão o Narrowband LTE, que é uma camada acima. Digo que somos complementares. O consumidor não quer saber se é frequência licenciada, não licenciada se é LTE ou não. Ele quer preço justo e serviço funcionando", reforça.

Brasil e México serão os primeiros países da América Latina interconectados à rede da Sigfox, com o comando do grupo WND. Aqui os investimentos estão projetados em US$ 50 milhões (R$ 150 milhões, que já começaram para a construção da infraestrutura). Toda a parte de antenas é importada e não há nesse momento planos de fabricação local. "Ainda entendo que o boom aqui será dos sensores. Vamos ter muita gente fabricando aqui para baratear ainda mais o custo. IoT pode estar em qualquer lugar", ressalta Reis.

O diretor de Negócios da WND Brasil, Eduardo Koki Ilha, diz que a opção pela faixa de 902 MHz, que é não licenciada, não implica ficar à parte da Anatel. "Todos os nossos equipamentos estão homologados e certificados pela agência reguladora", diz. A WND está construindo redes semelhantes na Colômbia e na Argentina. Ainda este ano, começa o modelo de negócios na Costa Rica, Chile, Peru, Uruguai e Paraguai. Atualmente a rede IoT da Sigfox está presente em 32 países.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/11/2017
Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

24/11/2017
Atenta à Internet das coisas, Anatel quer mudar certificação de equipamentos

21/11/2017
Uber faz acordo com Volvo para comprar 24 mil carros autônomos

20/10/2017
Operadoras vão à Fazenda e pedem tarifa zero de imposto para Internet das Coisas

04/10/2017
Plano Nacional de Internet das Coisas vai gerar R$ 135 bilhões ao Brasil

04/10/2017
Grupo Algar: mercado de Internet das Coisas vai se autorregulamentar

04/10/2017
Viabilizar negócios em Internet das Coisas é o desafio de agora

03/10/2017
Mercado pede ‘carência regulatória’ para Internet das Coisas

03/10/2017
Plano prevê até 10 ‘unicórnios’ brasileiros para Internet das Coisas

22/09/2017
Governo: Internet das Coisas não acontecerá sem Telecomunicações no Brasil

Destaques
Destaques

Migração total do 2G exige smartphones mais baratos

Para o Sinditelebrasil, preço dos aparelhos é barreira para os 36 milhões de usuários que ainda têm acessos GSM. Acessos 4G superaram os 3G em outubro.

5G terá 1 bilhão de assinantes em 2023

Estudo da Ericsson projeta um tráfego global de dados móveis acima de 100 Exabytes por mês dentro de seis anos. O 4G, LTE, será a tecnologia móvel dominante até o final deste ano.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Teles Tradicionais X Especializadas: o dilema para a IoT

Por Fábio Trindade

M2M e a Internet das Coisas são elementos centrais no debate das novas tecnologias que formarão o futuro em torno da 5G e continuarão em crescimento vertiginoso.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site