Home - Convergência Digital

SINDPD/SP: Nova Lei trabalhista não 'matou' sindicatos nem a CLT

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 06/10/2017

O presidente da Central do Sindicato Brasileiro (CSB) e do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), Antonio Neto, afirmou, em evento na capital paulista, que a nova Lei Trabalhista, que entra em vigor no dia 11 de novembro, aumenta a responsabilidade para as partes envolvidas na relação capital-trabalho.

"Agora é hora da nossa responsabilidade aumentar, lógico que vocês não devem esperar que vamos mudar nossa convenção coletiva para piorar as condições dos trabalhadores. Os sindicatos não farão, mas poderemos ter uma relação mais igual, com mais segurança jurídica. É bom lembrar que negociação é uma rua de duas mãos, não é mão única. Vamos ter que ter responsabilidade na hora de negociar", disse Neto, que ainda falou de compensação na hora de negociação.

"A nova lei diz que você pode trocar o benefício, mas tem que incluir outro. Quer retirar um benefício, precisa garantir uma substituição, uma compensação. Isso vai criar alternativas para passarmos por cima de algumas dificuldades", completou. Antonio Neto também refutou a afirmação dos parlamentares, de que a reforma diminuirá os processos trabalhistas e ainda reforçou os pontos inconstitucionais da nova lei.

"Essa reforma tem pontos inconstitucionais, temos o ordenamento jurídico, que foi rompido em vários pontos. Além disso, eles se esqueceram também que somos signatários de convenções internacionais, e a maioria delas de antes de 1988. Teremos um caos, teremos muitos mais processos trabalhistas", completou o presidente do Sindpd, que lamentou a maneira como a reforma está sendo divulgada.

"É uma pena que a maneira que a reforma está sendo vendida tenha gerado no empresariado brasileiro o mesmo assolamento que tiveram os parlamentares, e agora mudou tudo. Disseram que iria acabar os sindicatos e a CLT, mas vamos utilizar a negociação coletiva para fortalecer a negociação. É muito importante que as empresas saibam que é possível fazer acordo, e o Sindpd está aberto para fazer negociações, temos feito grandes negociações e procuramos ajudar o mercado. A partir de 11 de novembro, estaremos em um novo momento, estamos de portas abertas para fazer os acordos que forem necessários, para que a gente consiga continuar a ter uma relação de capital-trabalho de olho no olho", finalizou Neto.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/10/2017
Orçamento mais baixo da história é catastrófico para Ciência e Tecnologia

11/10/2017
Governo segue sem consenso sobre a MP complementar à Lei Trabalhista

06/10/2017
SINDPD/SP: Nova Lei trabalhista não 'matou' sindicatos nem a CLT

04/10/2017
MCTIC troca Sepin e Telebras elege novo presidente

02/10/2017
Temer defende reformas, mas se omite sobre a Lei de Telecom

29/09/2017
Kassab assina ida de Martinhão para Telebras

22/09/2017
Lei trabalhista: terceirização da mão de obra segue como prática ilícita

05/09/2017
MCTIC precisa de R$ 2 bi para fechar ano e fala em 'pressão saudável' por recursos

05/09/2017
Convenção Coletiva de TI está acima da Reforma Trabalhista

04/09/2017
Reforma trabalhista altera negociação do banco de horas

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Quatro lições para dar coragem e autonomia às pessoas

Por Amanda Matos Cavalcante*

As pessoas são os principais e mais importantes ativos de uma corporação.

Destaques
Destaques

Profissional do futuro é um análogo do canivete suíço

Esse especialista terá de reunir capacidades polivalentes, diz o consultor Marcos Semola. O especialista também decreta: O RH que pensa na caixinha está morto.

Reforma trabalhista: Não haverá contrato novo ou velho

“Se não, muitos empresários poderiam dispensar os trabalhadores da ‘lei velha’ e contratar outros com contrato novo, pela ‘lei nova’. Para não haver esse perigo, a lei aplica-se a todos os contratos em vigor no Brasil”, explica o Juiz do Trabalho, Marlos Melek.

BI, big data e cientista de dados: salários entre R$ 12 mil a R$ 30 mil no Brasil

Pesquisa revela que corporações brasileiras buscam especialistas nessas áreas para conduzir seus negócios.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site