INOVAÇÃO

CADE faz estudo favorável ao Uber e sugere desregulamentação para táxis

Da redação ... 31/10/2017 ... Convergência Digital

O Departamento de Estudos Econômicos – DEE do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade elaborou nota técnica acerca do trabalho sobre a organização do setor de transporte individual de passageiros. O documento irá subsidiar a versão final do trabalho do DEE, que deverá ser lançado ainda em 2017.

O tema das análises é a expansão da economia de compartilhamento no mercado de transporte individual de passageiros a partir da entrada de novos ofertantes como a Uber. A exposição apresenta o atual estágio do mercado com uma breve descrição do mercado de táxis e o histórico da entrada da Uber no Brasil e discute algumas implicações regulatórias a respeito.

De acordo com o DEE, a economia de compartilhamento traz benefícios tanto para os consumidores quanto para os ofertantes. Os primeiros são beneficiados porque conseguem usufruir de determinados bens de maneira temporária – sem a necessidade de adquirir o veículo, mas apenas utilizando-o de maneira transitória –, com maior variedade de opções de consumo e com preços geralmente mais baixos. Já os ofertantes conseguem ter um acesso mais fácil e eficiente ao mercado consumidor e, ainda, reduzir significativamente a ociosidade de seus bens.

Segundo ainda a nota técnica do DEE, o desenvolvimento de novas tecnologias propicia a redução de falhas de mercado, por exemplo das informações assimétricas, visto que os consumidores passarão a ter acesso às informações relacionadas a corrida, tais como: a previsão do preço, o percurso sugerido, o tempo de corrida, a avaliação do motorista e o tipo e modelo do veículo. Os próximos passos do estudo irão analisar tais variáveis utilizando técnicas econométricas para mensurar a pressão competitiva da Uber sobre o mercado de táxis.

Aumento da competição

Além dos benefícios citados, a expansão da economia de compartilhamento pode gerar aumento da competição, podendo provocar redução de receita para os tradicionais setores da economia. A Uber, por exemplo, teria criado um novo mercado, atingindo consumidores que sequer usavam táxis, ao conseguir prestar um serviço mais eficiente a preços mais baixos.

A nota técnica do DEE vai além e defende que a Uber não apenas criou uma nova demanda, mas também está rivalizando e conquistando passageiros dos próprios aplicativos de táxi, como 99Taxi e EasyTaxi. O estudo conduzido pelo Departamento é importante para tirar conclusões mais precisas sobre os impactos concorrenciais de aplicativos de transporte (em especial a Uber) sobre o mercado de táxi brasileiro.

Sobre o mercado de táxi no Brasil, o DEE levou em conta aspectos como a regulação demasiadamente rígida do setor, o que geraria elevados custos sociais e inviabilizaria a possibilidade de descontos em corridas, por exemplo, tornando mais difícil a concorrência com os novos aplicativos de economia compartilhada.

Sobre este aspecto, a nota técnica cita que o número de novas licenças de táxi não costuma acompanhar o crescimento das cidades. No Distrito Federal, por exemplo, o número de licenças não cresce desde 1979, embora a população da cidade cresceu em mais de 142% no período compreendido entre 1980 e 2015. Clique aqui e veja a íntegra da nota técnica do DEE.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Opinião
Por que devemos projetar chips no Brasil?
Rogério Moreira e Murilo Pessatti*
Opinião
BNDES e o impacto na Inovação
Cláudia Trindade Prates, João Paulo Pieroni e Luciano Machado*

Inovação que dá certo é a que une a grande empresa à startup

A burocracia é um grande entrave à inovação, mas o ponto mais crítico é a falta de interação entre o mercado e as boas ideias das startups, observam Rafael Duton e Alexandre Castro, do Oito, da Oi.

Oi investe em startups para ter 'inovação correndo nas veias'

Empresa ativou o Oito, hub de empreendedorismo e inovação no Rio de Janeiro.

Intel: Brasil fica fora dos mercados de IA, IoT e 5G se olhar apenas para o 'próprio umbigo'

"Não há como ser um ator global sem produzir tecnologia para a exportação", advertiu o diretor-geral,Maurício Ruiz. Empresa quer se redimir dos erros e garantir o protagonismo no 5G. Sobre produção local, mesmo com o boom das memórias, o executivo diz ser 'muito difícil'.

Satélite 100% elétrico da Eutelsat já está em serviço

Capacidade de banda KU será utilizada para oferecer serviço de TV em tempo real para passageiros em voo.

Agronegócio: 'Falta um waze para o agricultor'

A afirmação é do presidente da Agrotools, Fernando Martins, observando que há um grande potencial para startups inovarem no Brasil.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G