TELECOM

Novo diretor da Anatel diz que internet traz competição ao mercado de telecom

Luís Osvaldo Grossmann* ... 07/11/2017 ... Convergência Digital

O advogado Emmanoel Campelo Pereira foi aprovado por 18 votos a favor, e um contra, depois de sabatina na Comissão de Infraestrutura do Senado nesta terça, 7/11. Com pedido de urgência, ele foi confirmado pelo Plenário, por 48 votos a favor e 10 contrários, ainda nesta mesma terça como novo diretor da Anatel, na vaga deixada por Igor de Freitas. 

Durante a amigável sabatina, Campelo falou sobre Oi (leia aqui) e defendeu mudanças no marco regulatório das telecomunicações, na forma do PLC 79/16 e na transformação das concessões em autorizações, bem como o efetivo uso de fundos setoriais, notadamente o Fust. Mas ao se dizer favorável à “regulamentação mínima”, apontou ser contra regular as empresas de internet. Para ele, elas trazem competição ao mercado. 

“Sou favorável à regulamentação mínima. No momento que temos essa mudança de comportamento do usuário, teremos uma mudança natural no mercado. Não vai haver prejuízo, vai haver mais competição. E o grande beneficiário é o cidadão. Não vejo o surgimento desses aplicativos como um problema, mas como algo que venha agregar mais opções ao consumidor e fomentar desenvolvimento das próprias empresas. A adaptação do mercado é natural”, afirmou. 

Ele lembrou que ajustes já estão acontecendo. “O serviço de TV a cabo reclama de aplicativos que fornecem séries e filmes, mas sempre precisaremos de banda larga para acesso a esses serviços. E na medida que aplicativos passaram a ter mais relevância, algumas empresas de TV a cabo têm ofertado a possibilidade do usuário assistir filmes e séries a qualquer momento, semelhante aos aplicativos.”

Mais importante para o mercado de telecom, sustentou Campelo, é a atualização da Lei Geral de Telecomunicações. “A gente precisa pensar na mudança do regime de concessão para autorização. Acho que o regime de autorizações bem conduzido tem condições de fomentar concorrência e promover a interiorização. A prioridade da Anatel tem que ser a interiorização, a universalização dos serviços. As regiões menos favorecidas têm que ser olhadas com maior atenção.”

Campelo defendeu a política de ‘filé com osso’ que a agência adota nos leiloes de frequência, com obrigações em áreas menos rentáveis para quem comprar espectro nas mais mas insistiu que a universalização exige o uso dos fundos setoriais, notadamente o Fust. “A própria não utilização dos recursos do Fust já é uma forte evidência da necessidade de atualizar o marco regulatório”, afirmou. 

Paralelamente, lembrou que a desejada universalização e interiorização depende dos custos dos serviços. “O setor arrecada demais e recebe de menos. O problema hoje em relação aos preços é sem dúvida a carga tributária. Os preços estão entre os maiores do mundo, mas sem a carga tributária são equivalentes aos países desenvolvidos. Temos que discutir até que ponto interessa uma carga de 41% sobre o setor de telecomunicações.”

* Atualizada às 18h40 para inclusão do resultado no Plenário do Senado Federal.


AmericaNet: Não faz sentido ter de construir rede por conta de direito de passagem

Inovação é a palavra-chave para a operadora competitiva competir no mercado de telecom, diz o vice-presidente da AmericaNet, José Luiz Pelosini. Ele lamenta que aspectos regulatórios inviabilizem a expansão dos negócios. "Compartilhamento ainda é um entrave".

Use Telecom: "Não conseguimos um real sequer do BNDES e da FINEP"

André Costa, CEO da operadora, com atuação na Bahia e no Sergipe, diz que o governo cobra muito e devolve pouco. Sobre o compartilhamento é taxativo: "O acordo entre a Anatel e Aneel pelos postes não é praticado em nenhum lugar do Brasil".

TIM abre laboratório para projeto de rede do Facebook na América Latina

Operadora será responsável pelo primeiro Telecom Infra Project Community Lab ("Laboratório Comunitário TIP") da região.

Faltam dinheiro e apoio para a construção de rede no Brasil

"Falta apoio dos órgãos públicos, falta financiamento acessível, falta vontade de fazer", diz Rui Gomes, CEO da UMtelecom, empresa que atua na Região Nordeste.

Juarez Quadros: "Estamos prontos para arbitrar disputas pelo compartilhamento"

O presidente da Anatel admite que para as operadoras competitivas há mais dificuldades para celebrar acordos com as concessionárias, mas diz que é preciso levar o embate para o órgão regulador.

Teles afirmam que bloqueio de celular em presídios é exigência inconstitucional

Em nota, o SindiTelebrasil adverte que o Supremo Tribunal Federal já decidiu sobre o tema em leis dos estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Se o PL 3019/15 for aprovado no Senado, as operadoras terão de instalar, manter e gerenciar os sistemas.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G