TELECOM

Tim engrossa ressalvas à China Telecom no controle da Oi

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/11/2017 ... Convergência Digital

Ao festejar o desempenho de seu ano e meio à frente da TIM no Brasil, o presidente da operadora, Stefano de Angelis, avaliou que a crise da Oi traz oportunidades e ameaças ao mercado de telecomunicações. Se por um lado a própria TIM ganha com a fraqueza da concorrente, a “fase de rumores” também abre espaço para tratativas estranhas ao mercado. 

Foi uma referência às tratativas da China Telecom com o governo brasileiro sobre um possível aporte na Oi, de pelo menos R$ 10 bilhões. A crítica é tanto para supostas condicionantes chinesas como para o eventual ingresso no mercado de uma estatal que, nessa análise, não teria o mesmo compromisso em gerar resultados financeiros positivos. 

“A TIM investe R$ 12 bilhões por ano e nunca colocamos condições para os investimentos. Nunca vimos empresas que querem investir colocando condições para o governo ou mercado. Não entendo porque termos participantes de mercado que estabeleçam condições para investir. Se temos investidores que vão colocar dinheiro na empresa, temos que esperar um comportamento racional. Para aplicar bilhões é preciso um retorno. Então um comportamento irracional não faria sentido”, afirmou, lembrando que “estamos na fase de rumores”. 

De Angelis não está sozinho na bronca. Há duas semanas, quando igualmente comentou os resultados trimestrais, o presidente da Telefônica/Vivo, Eduardo Navarro, também fez questionamentos sobre as notícias relacionadas à Oi. ““Somos a favor de competição, é ótimo ter players saudáveis no mercado. O temor é que recebamos players que não sejam confiáveis, que não busquem retorno aos acionistas”, afirmou. 

Como reconheceu Stefano de Angelis, uma Oi capitalizada e forte naturalmente seria um competidor difícil. “Uma Oi que se recupere com grande investidor vai ser uma ameaça, olhando para o futuro”, disse. No entanto, também lembrou que a empresa não vem investindo no ritmo das competidoras, especialmente no 4G, que tem sido foco da política da Tim em busca de assinantes de maior poder aquisitivo. 

A empresa teve lucro de R$ 279 milhões no terceiro trimestre, com crescimento no consumo de dados e no peso desses na receita total. A empresa vem focando no 4G e no pós pago, seja com táticas agressivas – como o novo plano de R$ 99 – para novas adesões ou para a migração dos pacotes semanais de pré-pagos para planos controle pós pagos. 

Assim, a TIM comemora praticamente 2 milhões de novos clientes pós pagos até aqui, sendo 900 mil deles apenas no terceiro trimestre. O segmento já representa 28% dos assinantes da tele móvel. “Estamos com 86% da população urbana coberta com 4G. Somos a única operadora a usar voz sobre LTE, disponível em 177 cidades. Já temos 301 cidades usando os 700 MHz e queremos que sejam 1 mil até o final do ano, e 2,6 mil cidades com 4G, que já responde por 51% do tráfego de dados”, enumera o presidente da TIM


AmericaNet: Não faz sentido ter de construir rede por conta de direito de passagem

Inovação é a palavra-chave para a operadora competitiva competir no mercado de telecom, diz o vice-presidente da AmericaNet, José Luiz Pelosini. Ele lamenta que aspectos regulatórios inviabilizem a expansão dos negócios. "Compartilhamento ainda é um entrave".

Use Telecom: "Não conseguimos um real sequer do BNDES e da FINEP"

André Costa, CEO da operadora, com atuação na Bahia e no Sergipe, diz que o governo cobra muito e devolve pouco. Sobre o compartilhamento é taxativo: "O acordo entre a Anatel e Aneel pelos postes não é praticado em nenhum lugar do Brasil".

TIM abre laboratório para projeto de rede do Facebook na América Latina

Operadora será responsável pelo primeiro Telecom Infra Project Community Lab ("Laboratório Comunitário TIP") da região.

Faltam dinheiro e apoio para a construção de rede no Brasil

"Falta apoio dos órgãos públicos, falta financiamento acessível, falta vontade de fazer", diz Rui Gomes, CEO da UMtelecom, empresa que atua na Região Nordeste.

Juarez Quadros: "Estamos prontos para arbitrar disputas pelo compartilhamento"

O presidente da Anatel admite que para as operadoras competitivas há mais dificuldades para celebrar acordos com as concessionárias, mas diz que é preciso levar o embate para o órgão regulador.

Teles afirmam que bloqueio de celular em presídios é exigência inconstitucional

Em nota, o SindiTelebrasil adverte que o Supremo Tribunal Federal já decidiu sobre o tema em leis dos estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Se o PL 3019/15 for aprovado no Senado, as operadoras terão de instalar, manter e gerenciar os sistemas.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G