GOVERNO

André Borges: Plano de banda larga não existe porque não há dinheiro

Ana Paula Lobo e Pedro Costa ... 09/11/2017 ... Convergência Digital

A consulta pública sobre o decreto de políticas de telecomunicações não será adiada e acaba ao meio-dia do dia 17 de novembro, revelou o secretário de Telecomunicações do MCTIC, André Borges. Segundo ele, a elaboração do texto já contou com mais de 900 participações da sociedade civil. "Vamos manter o cronograma", sustentou ao participar do 31º Seminário ABDTIC, realizado nos dias 07 e 08 de novembro, em São Paulo.

Ao participar de painel na ABDTIC, ao ser questionado sobre qual é a conectividade desejada para a sociedade brasileira, André Borges, não titubeou ao dizer que a inserção da banda larga no centro da política pública de telecomunicações, não significa que há um novo plano de banda larga. "Nós não temos um plano de banda larga e a não há a definição de metas especificas por um único motivo: não existe orçamento e não há perspectiva de orçamento. É algo totalmente sem sentido promover algo que não vai acontecer", afirmou André Borges.

Segundo ele, não há sentido em definir velocidades em um decreto como o que está em consulta pública porque não há garantia de recursos para efetivar a implantação da banda larga, insistiu. Borges observou que as agendas digitais na Europa, por exemplo, existem porque estão vinculadas a orçamentos disponíveis. "Todo o nosso modelo novo só vai acontecer se entrar o dinheiro da adaptação da concessão para autorização. Se isso acontecer, ele anda, porque não há dinheiro", reforça.

Lançado em 18 de outubro, o decreto em construção pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) faz uma revisão do marco regulatório do setor e coloca a banda larga no centro da política pública de telecomunicações do país. A íntegra do documento está disponível para contribuições até 17 de novembro, no link http://www.cgee.org.br/ConsultaPublicaTelecom.

A proposta de decreto substitui outros três decretos atualmente em vigor, atualizando a legislação para alinhá-la às transformações tecnológicas, econômicas e sociais que ocorreram desde a promulgação da Lei Geral de Telecomunicações, em 1997. O documento revoga o Decreto nº 4.733/2003, que dispõe sobre as políticas públicas de telecomunicações; o Decreto nº 7.175/2010, que instituiu o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL); e o Decreto nº 8.776/2016, que criou o Programa Brasil Inteligente, uma nova etapa de expansão do PNBL com ações para a universalização do acesso à internet no país.

Assistam a participação do secretário de Telecomunicações do MCTIC, André Borges, no Seminário ABDTIC.


Cobertura Especial do 2º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2017

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Estatal assume rede que interliga 1,7 mil agências do INSS e data centers no lugar da Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom.



Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do evento

Call centers alegam que aumento no PIS/Cofins cortaria 5% do faturamento

Segmento adere a grita do setor de serviços contra os estudos anunciados pelo Ministério da Fazenda de correção do tributo para compensar perdas de receitas.

Casa Civil tenta padronizar análises de Impacto Regulatório nas agências

Estão em consulta pública até 1 de novembro propostas de diretrizes gerais além de um guia específico para orientar a elaboração das AIR pela Anatel e os demais órgãos reguladores. 

Serpro/ITI iniciam atualização dos certificados SSL dos sites do Governo

Instituto Nacional de Tecnologia da Informação informa que serão emitidos certificados digitais na cadeia v2 pela ACSerpro para encerrar as menasgens 'esta conexão não é confiável' nos sites do governo federal. Entidade, no entanto, não divulgou um cronograma de atualização.

Dataprev se candidata a ser fornecedora de serviços digitais para Governo

Estatal já tem funcionando o Cidadão BR, com autenticações de 2,5 milhões de pessoas e oferta de serviços como busca de empregos e aplicações do INSS. Neste momento, governo faz uma consulta pública para a compra de plataforma na nuvem para oferta digital ao cidadão.


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

Fim da gestão do Governo dos EUA abre nova era para a Internet

Desde 1º de outubro, as funções técnicas da internet – nomes, números e protocolos – não envolvem mais um contrato da ICANN com o governo americano. “O Brasil influenciou nessa transição”, diz o secretário-executivo do CGI.br, Hartmut Glaser. 


Acompanhe a Cobertura Especial do WCIT 2016

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G