TELECOM

Diretoria da Oi alerta para limites da redução de custos e necessidade de capital

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/11/2017 ... Convergência Digital

A Oi festejou nesta terça, 14/11, o primeiro lucro trimestral em dois anos, fruto direto do aperto nos custos, o que permitiu inclusive ampliar investimentos na rede. Sem contar os ativos na África, a operação brasileira fechou o terceiro trimestre de 2017 com lucro de R$ 217 milhões (com o resultado internacional, apenas R$ 8 milhões). Período em que o corte de gastos chegou a R$ 337 milhões, ritmo que já acumula R$ 1,5 bi em nove meses. 

“Atuamos fortemente no controle de custos. Mas não estamos comprometendo as operações para alcançar o resultado. Ao contrário. O crescimento do caixa se deu em período de aumento de investimentos. A operação é rentável, mas a conclusão bem sucedida da recuperação judicial é fundamental para que a empresa mude de forma estrutural seu patamar de lucratividade”, afirmou o presidente da operadora, Marco Schroeder, ao apresentar os resultados. 

O controle “rígido” dos custos operacionais, como ressaltado pela diretoria, garantiu que a empresa fechasse o terceiro trimestre com R$ 7,7 bilhões em caixa – ou R$ 2,6 bi acima de meados de 2016, quando foi aberto o processo de recuperação judicial. Mas mesmo o aumento de 36% nos investimentos e aportes que já somam R$ 3,8 bilhões este ano ainda deixam a Oi com Capex inferior aos concorrentes – é menos da metade do que a Vivo prevê em desembolsos anuais entre 2017 e 2019, por exemplo. 

A própria diretoria da Oi reconhece que o trabalho prepara o terreno para a operadora voltar ao mercado, mas isso exige capital na veia. “A redução de custos tem um limite, ainda mais com a expectativa de retorno do crescimento. Solucionado o tema da estrutura de capital e com uma injeção de recursos que possa financiar o crescimento significativo dos investimentos nos próximos anos, teremos uma nova Oi pronta para competir em igualdade de condições, com operação rentável e sustentável”, afirmou o diretor administrativo e financeiro, Carlos Brandão. 

Para o presidente Marco Schroeder, esses novos investimentos dependem das tratativas com os credores, que ele entende devem ser concluídas primeiro. Há conversas, mas sem propostas firmes até aqui. “Assinamos um acordo com a China Telecom e a TPG para eles poderem conhecer mais detalhes da companhia, mas não existe nenhuma proposta formal, nenhuma sinalização de que essa transação venha realmente ocorrer. O importante neste momento é buscar um acordo entre credores e acionistas. Num segundo momento poderia ser interessante a empresa se aproximar de investidores estratégicos, mas não acredito que isso vai acontecer antes da assembleia de credores do dia 7 [de dezembro].”

Ele também voltou a descartar uma intervenção da Anatel. “O próprio regulador deixou claro que a operação da Oi está reportando evoluções trimestre a trimestre e que a preferência é por uma solução de mercado. Uma eventual intervenção é um cenário extremado de não convergir para um acordo e tivesse alguma questão que botasse em risco operação, que no momento é um cenário inexistente”. 


AmericaNet: Não faz sentido ter de construir rede por conta de direito de passagem

Inovação é a palavra-chave para a operadora competitiva competir no mercado de telecom, diz o vice-presidente da AmericaNet, José Luiz Pelosini. Ele lamenta que aspectos regulatórios inviabilizem a expansão dos negócios. "Compartilhamento ainda é um entrave".

Use Telecom: "Não conseguimos um real sequer do BNDES e da FINEP"

André Costa, CEO da operadora, com atuação na Bahia e no Sergipe, diz que o governo cobra muito e devolve pouco. Sobre o compartilhamento é taxativo: "O acordo entre a Anatel e Aneel pelos postes não é praticado em nenhum lugar do Brasil".

TIM abre laboratório para projeto de rede do Facebook na América Latina

Operadora será responsável pelo primeiro Telecom Infra Project Community Lab ("Laboratório Comunitário TIP") da região.

Faltam dinheiro e apoio para a construção de rede no Brasil

"Falta apoio dos órgãos públicos, falta financiamento acessível, falta vontade de fazer", diz Rui Gomes, CEO da UMtelecom, empresa que atua na Região Nordeste.

Juarez Quadros: "Estamos prontos para arbitrar disputas pelo compartilhamento"

O presidente da Anatel admite que para as operadoras competitivas há mais dificuldades para celebrar acordos com as concessionárias, mas diz que é preciso levar o embate para o órgão regulador.

Teles afirmam que bloqueio de celular em presídios é exigência inconstitucional

Em nota, o SindiTelebrasil adverte que o Supremo Tribunal Federal já decidiu sobre o tema em leis dos estados da Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Se o PL 3019/15 for aprovado no Senado, as operadoras terão de instalar, manter e gerenciar os sistemas.


Veja a revista do 60º Painel Telebrasil 2016
Revista do 60º Painel Telebrasil 2016
O Brasil enfrenta uma de suas mais graves crises, e as telecomunicações em banda larga são essenciais para a retomada do desenvolvimento sustentável, com inclusão social, na moderna sociedade da informação e do conhecimento. Este foi o mote dos debates durante o 60º Painel Telebrasil, realizado nos dias 22 e 23 de novembro, em Brasília.

  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G