INCLUSÃO DIGITAL

Telebras prevê comprar 200 mil antenas para oferecer internet via satélite

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/11/2017 ... Convergência Digital

Fracassada a tentativa de repassar diretamente parte da capacidade de seu satélite à inciativa privada, a Telebras indicou que vai voltar à estratégia inicial de venda de banda, especialmente para provedores, ou mesmo a oferta direta de acesso a internet para os usuário finais. Parte do plano se escora em dois novos programas de inclusão digital, as a ideia é também comprar 200 mil antenas VSAT para repassar aos parceiros ou instalar ela mesma. 

Segundo explicou nesta quarta, 29/11, o diretor técnico operacional da estatal, Jarbas Valente, parte da demanda é imediata, para o programa Escola Conectada, que prevê cerca de 7 mil escolas rurais com acesso até o fim de 2018. Além disso, a Telebras vai participar do programa Internet para Todos, que aproveita condições já existentes do Gesac (que atende postos de saúde, telecentros, áreas remotas, etc) e que deve elevar a necessidade imediata para pelo menos 15 mil antenas. Em seguida, porém, esse número terá que crescer. 

“Já temos definido para o ano que vem as sete mil [VSATs] da educação, mais uma quantidade que faz parte do projeto Gesac, e deve chegar em 15 mil. Logicamente que para crescer a Telebras no futuro vamos fazer uma licitação grande, uma quantidade maior de VSATs para que possa atender o mercado privado dos provedores”, disse Valente, ao tratar do satélite em audiência pública na Câmara dos Deputados. 

“Em termos de capacidade, 200 mil VSATs podem ser colocadas no restante do satélite, em velocidades que pode ser para backhaul, nas casas das pessoas, nas empresas, nas cooperativas, etc. É o que a gente vai deixar. Caso as empresas não queiram em determinado lugar, o Decreto [7175/2010, que reestruturou a estatal] permite que então a Telebras faça diretamente”, completou. 

De acordo com o diretor da estatal, pelo menos a primeira parte das VSATs, que pode chegar a 18 mil antenas, poderá ser comprada imediatamente sem necessidade de licitação. “Depois de três processos de licitação, podemos fazer contratação direta. Estamos negociando com as empresas, vamos comprar as VSATs que a gente tem necessidade e deixar para os nossos parceiros, comprando em alta escala para viabilizar o projeto.”

A ideia é que as antenas sejam fornecidas aos parceiros que comprarem banda da estatal. Onde eles não existirem, haverá venda direta. “O provedor pode escolher comprar da Telebras, a Telebras instala, compra em larga escala, ou pode comprar diretamente do fabricante que vier a fornecer. E vamos fazer diretamente onde ninguém quiser chegar. Se nenhuma operadora de telecomunicações, nenhum provedor quiser chegar em determinada localidade, num lugarejo de 100, 150 habitantes, a Telebras fará. 

Segundo ele, o custo das VSATs com a compra em grandes volumes é baixo. Ainda que o valor total seja significativo. Conforme apresentou na Câmara, com base em licitações anteriores, o valor das antenas, incluindo manutenção, pode chegar a R$ 1 bilhão ao longo de dez anos. 


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

França vai banir celulares em escolas a partir de 2018

Anúncio foi feito pelo ministro da educação do país, Jean-Michel Blanquer. Medida valerá para estudantes menores de 15 anos. 

PNAD 2016: celular quase encosta em TVs nos lares brasileiros

Pesquisa do IBGE mostra que, em 2016, em 92,3% dos domícilios pelo menos um morador possuía um telefone celular. As TVs estão presentes em 97,4% dos domícilios. O acesso à Internet chegou a 63,6% dos domicílios, com o celular ganhando fácil dos PCs e tablets. 

Governo deveria abrir mão de três anos de impostos para levar banda larga para quem não tem

A proposta foi feita pelo diretor de desenvolvimento de Negócios da IBM Brasil, Rodrigo Santi, caso ele pudesse ter a 'caneta' para definir uma política pública para o setor no Brasil.

UIT alerta que apesar de avanços no Brasil, o fosso digital aumentou

Em ranking de 176 países, o Brasil melhorou uma posição, de 67º para 66º considerados os usos e habilidades das tecnologias da informação e comunicações, mas ainda tem muito por fazer se quiser aderir à era Inteligência Arficial, do Big Data ou da Internet das Coisas.

Governo estabelece o fim do feriado regulatório para fibra óptica

Governo quer fazer um diagnóstico das redes de acesso existentes no país. "Temos poucos dados e eles estão desatualizados", observa o diretor de Banda Larga do MCTIC, Artur Coimbra.

Telecentros renovam fôlego e ganham novo status na Inclusão Digital

A consulta pública aberta pelo governo para definir novas políticas públicas para Telecomunicações vai tratar de um tema caro: o compartilhamento e tratamento de dados, revela Américo Bernardes, Diretor do Departamento de Inclusão Digital do MCTIC.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G