GOVERNO » Compras Governamentais

TCU bloqueia novos contratos da Caixa com a CPM Braxis/Capgemini

Luís Osvaldo Grossmann ... 04/12/2017 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União deu nova ordem à Caixa Econômica Federal parar de firmar contratos sem licitação com a CPM Braxis/Capgemini. A Corte de Contas já fizera o mesmo ainda em 2015, mas como o banco estatal e a empresa francesa de TI apresentaram recursos, o TCU entendeu ser necessário reafirmar a determinação.  

A questão remete a 2012, ano em que a Caixa comprou 22% do capital social da CPM Braxis, equivalente a 24,4% do capital votante, por R$ 321,6 milhões. Para o TCU, que já abriu pelo menos outros três processos relacionados ao negócio, tratou-se de uma tentativa de dispensar licitações em contratações de tecnologia da informação. Por isso, ainda em maio de 2016 o Tribunal mandou que a Caixa desfaça essa aquisição acionária. 

Como aquela decisão é objeto de recurso da Caixa e da Capgemini, o TCU abriu novo processo, votado na sessão de 29/11. O Acórdão 2645/17 diz que “o arranjo em tela não levou a CPM Braxis à condição de controlada de fato da Caixa à luz do direito público, mas sim à condição de empresa participada”. Portanto, entende que o banco público não controla realmente a empresa de TI. O controle é da privada Capgemini, que tem cerca de 56% da CPM Braxis. A conclusão é de que se o controle não é estatal, não há que se falar em dispensa de licitação.

Até aqui, a Caixa contratou sem licitação pelo menos R$ 518 milhões com a CPM Braxis, mas o TCU acha esse valor foi inflado. “No relatório da inspeção foram relatados oito achados relevantes, incluindo falhas na justificativa de preços das licenças SAP, da quantidade de parte dos serviços, além de possível superfaturamento da ordem de R$ 37.271.753,91, sem considerar atualização monetária”, diz a Secretaria de Fiscalização de TI do TCU.

No novo Acórdão, o Tribunal lembra ainda que já analisou em três casos distintos (dois deles envolvendo a Caixa) a compra, por empresas estatais, de participações acionárias minoritária. “Em todos eles ficou assente que a aquisição de participação acionária com o único objetivo de permitir a contratação direta com base na permissão concedida no art. 24, XXIII, da Lei 8.666/93 macula a operação”.

O resultado é que o TCU deu 15 dias para a Caixa: 

1) “impedir novas contratações diretas com a CPM Braxis com base no art. 24, inciso XXIII, e no art. 25, caput, da Lei 8.666/1993”;

2) “impedir novos aditamentos referentes a aumentos de quantitativos ou de valores aos contratos que tenham sido celebrados com a CPM Braxis com base no art. 24, inciso XXIII, e no art. 25, caput, da Lei 8.666/1993, salvo para alterações pontuais de adequação que, justificadamente, sejam necessárias à conclusão dos serviços”; e

3) “impedir novas prorrogações dos contratos de serviços contínuos que tenham sido celebrados com a CPM Braxis com fundamento no art. 24, inciso XXIII, e no art. 25, caput, da Lei 8.666/1993, salvo se for indispensável à continuidade desses serviços até que se conclua licitação para nova contratação dos mesmos objetos”.


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.

Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

A afirmação é do presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária do Congresso Nacional, deputado Luis Miranda, do DEM/DF. "Não dá para crer que governo federal, estados e municípios façam a reforma unificada", diz.

Serpro e Dataprev terão de se reinventar para a economia digital

O secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, admite que um desafio a ser enfrentado para a transformação digital do governo federal é a interoperabilidade dos bancos de dados. "Há muitos que não se conversam", afirmou.

Falta de dinheiro exige exercício de criatividade na economia digital

Para o secretário de empreendedorismo e inovação do MCTIC, Paulo Alvim, a retomada da competitividade no Brasil passa por um ecossistema sólido unindo governo, iniciativa privada e academia.

eSocial: Governo adia para outubro emissão do recolhimento das PMEs

Receita Federal publicou nova instrução normativa nesta segunda, 22/4, com novo prazo para que empresas de micro e pequeno porte emitam a DCTFWeb.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G