INTERNET

Senador quer cadeia para ‘fake news’, mas só as divulgadas na Internet

Luís Osvaldo Grossmann* ... 01/02/2018 ... Convergência Digital

O Congresso Nacional já tem um projeto de lei que criminaliza a divulgação de notícias falsas, ou fake news, como virou moda tratar o assunto. Mas o PLS 473/17, apresentado no fim do ano passado, parece entender que o problema é com a internet. 

Pela proposta do senador Ciro Nogueira (PP-PI), divulgar notícia falsa deve provocar reclusão de um a três anos quando elas forem publicadas na rede mundial de computadores. Portanto, cadeia na certa. 

Outros meios, como televisão, rádio ou jornais impressos, não mereceram maior atenção do parlamentar. Nesses casos, incluídos como divulgação genérica das fake news, a pena prevista é bem menor, detenção (leia-se, regime aberto) de seis meses a dois anos. 

Em defesa do projeto, que aguarda designação de relator na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, o senador sustenta que “a criação do novo tipo penal contribuirá para reprimir e prevenir a divulgação das fake news”. 

TSE

Enquanto isso, o Tribunal Superior Eleitoral fez mais uma reunião para tentar estabelecer regras sobre a coibição das notícias falsas durante as eleições deste ano. E chamou Google, Twitter e Facebook (também dono do Whatsapp) para conversar. 

As empresas de internet indicaram o que andam fazendo pelo mundo para coibir as fake news, mas não ficou claro como isso vai funcionar no pleito brasileiro. Regras já baixadas pelo TSE permitem o que elas chamam de ‘impulsionamento de conteúdo’, ou seja, uma forma paga de turbinar a divulgação. Mas o Tribunal ainda deve esclarecer, por exemplo, as formas de pagamento e identificação.

O grupo que discute o tema na Justiça Eleitoral inclui representantes dos ministérios da Justiça, Ciência & Tecnologia, Exército, Polícia Federal, Ministério Público, CGI.br, FGV e Safernet. Deve ser realizada ainda mais uma reunião, no fim de fevereiro, antes do prazo (5/3) final para regras que possam vigorar em outubro. 

“A preocupação realmente é não afetar a liberdade de expressão e a liberdade de informação. Esse é um novo desafio: ninguém tem respostas prontas e ninguém quer assegurar a censura como método. Mas é preciso discutir o tema e encontrar meios e modos de lidar”, sustentou o presidente do TSE, Gilmar Mendes.

* Com informações do TSE


Provedores defendem modelo da TV Digital para resolver uso dos postes

Proposta da Abrint prevê que no lugar de mudanças na resolução Anatel/Aneel seja constituído uma espécie de ‘Gired’ ou um foro permanente para negociações e mesmo determinações para a regularização das estruturas.

STF: Relatores dizem que é inconstitucional barrar apps de transporte

Ações questionam leis de São Paulo e Fortaleza que limitam ou mesmo proíbem transporte por aplicativos como Uber e assemelhados. Julgamentos foram suspensos por pedido de vista.

Justiça nega proibição a jogo onde Bolsonaro espanca mulheres, negros e gays

Em nova tentativa do Ministério Publico, 14ª Vara Cível de Brasília entendeu que jogos eletrônicos são obra intelectual com livre manifestação de pensamento.

Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G