GOVERNO

Nova identidade usa segurança via QR Code desenvolvida pelo Serpro

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/02/2018 ... Convergência Digital

A nova carteira de identidade do Brasil será pelo celular, mas o público geral só deve ter acesso a partir de julho, se correr como esperado o cronograma do Tribunal Superior Eleitoral, que coordena a empreitada. O sistema que dá suporte ao novo documento, porém, já está de pé. Desenvolvido pelo Serpro, ele já incorpora o que funciona como a segurança do Documento Nacional de Identificação: um sistema por QR Code criptografado capaz de reconhecer se a documentação é legítima ou foi adulterada. 

A primeira trava de segurança é uma senha de seis dígitos que precisa ser inserida a cada uso do DNI. Mas como explica o Serpro, mesmo que haja a quebra dessa senha, o sistema foi projetado para que qualquer modificação do documento não seja reconhecida pelo QR Code, que é um código bidimensional lido como uma fotografia. 

“Vamos supor que eventualmente houve um roubo, e quem roubou quer usar o documento para fazer fraude. Mesmo se conseguir quebrar a senha ele vai ter acesso as informações do DNI, mas não vai conseguir alterar as informações do documento. Se algo for alterado, o QR Code fica corrompido e não vai bater com as informações. Ou seja, se hackear, trocar nome, trocar foto, não consegue violar o QR Code criptografado. Os dados que vão aparecer serão os corretos, não vai bater com o documento fraudado”, explica o diretor de operações do Serpro, Iran Porto Júnior. 

No caso de perda ou furto do celular, a emissão de um novo DNI automaticamente anula aquele que estava armazenado no aparelho perdido. Além disso, o sistema possui uma segunda camada de segurança, a partir de uma marca d’água digital que periodicamente atualiza a data e hora de uso do documento. “Imagine que estou aqui no Serpro, você em outra empresa e quero mandar o documento, mas não presencialmente. Posso compartilhar o DNI e você tem como verificar se realmente emiti o documento naquele momento, e não algo que já estava armazenado”, completa o gerente de produto e serviço do Serpro, Rodrigo Mendes. 

Essa solução da marca d’água foi desenvolvida pela parceira privada do projeto, a MBA Mobi, de Brasília, também responsável pela interface baixada nos smartphones. Ao Serpro coube, além da segurança via QR Code, o sistema que será utilizado nos atendimentos para emissão do DNI – algo que ainda está sendo organizado pelo TSE, mas que provavelmente vai incluir as juntas eleitorais e, eventualmente, até mesmo os institutos de identificação dos estados. 

É que para emitir o novo documento, primeiro é preciso baixar o aplicativo, em versões Android e iOS, para o celular. Ele ocupa 15 MB da memória do aparelho. Nesse app, o cidadão faz um pré-cadastro, para em seguida se dirigir pessoalmente aos postos de atendimento. Ali, uma interface do Serpro faz o batimento de duas digitais com a base biométrica do TSE – que até aqui tem 73 milhões de eleitores, mas que aos poucos será estendida para chegar aos 150 milhões de brasileiros com direito a votar e ainda para os menores de 16 anos. 

Paralelamente, coube ao Serpro a interoperabilidade do DNI com a base do TSE mas também com as bases de dados do governo federal, como CPF, e para prestação de serviços públicos. Um dos objetivos com a carteira de identidade digital é garantir autenticação simples para o acesso a esses serviços, como SUS, programas sociais, Ministério do Trabalho, etc. 


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G