Convergência Digital - Home

TIM prioriza big data para fidelizar cliente 'com nome e sobrenome'

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 06/02/2018

A TIM se preparou no último ano para ser protagonista no mercado brasileiro de Telecomunicações e o desempenho financeiro sólido será o motor para novas ações para fidelizar os clientes, reportou o presidente da TIM Brasil, Stefano De Angelis, na teleconferência de resultados, realizada nesta terça-feira, 06/02.

Uma das medidas tomamdas em 2017 foi a de ganhar mercado sem perder receita, o que de certa maneira, explica a ação da TIM no pré-pago onde teve uma forte limpeza de base, que provocou a perda do segundo lugar no ranking nacional para a Claro.

"Tivemos uma abordagem muito prudente no pré-pago. A ideia é cada vez mais aumentar o ARPU do cliente. A oferta diária é esporádica. Queremos ter o cliente mais tempo. E fazendo essa limpeza ainda estamos na liderança", reportou De Angelis.

Os canais digitais ganham força na nova diretriz de atuação. "Investimos na digitalização. As interações humanas caíram 7% em 2017. Aumentamos o ticket médio da recarga no pré-pago. A proposta é personalizar e sensibilizar cada vez mais o contato com o usuário", explicou o presidente da TIM Brasil.

Uma das ações anunciadas é criar, a partir de julho, ofertas com 'nome e sobrenome', ou seja, ofertas individualizadas. Para isso, a TIM vai usar os dados compilados da sua própria base. "Essas ofertas serão personalizadas e não vão estar na mídia. A ideia é oferecer o melhor e em contrapartida ter a fidelização do usuário", observou o COO da TIM Brasil, Pietro Labriola.

Com relação à concorrência no mercado, o presidente da TIM Brasil, Stefano De Angelis, diz que o cenário brasileiro é muito competitivo e tirando uma ou outra ação mais agressiva, há uma similaridade com o mercado internacional. Hoje, acrescentou, é o fenômeno da oferta multiplicada do Gigabyte em dados. "Esse é o momento mundial", salienta.

Não por acaso, a TIM quer ser agressivo internamente, mais do que para o mercado em geral, com a oferta personalizada. "Fomos os primeiros a aumentar a duração do gigabyte na oferta semanal do pré-pago, e depois de um certo tempo, todo o mercado adotou. Isso é normal e incremental. O diferencial é evitar o churn de clientes e é isso que vamos fazer", completou Stefano De Angelis.


Destaques
Destaques

Nuvem pública deslancha no Brasil e receita estimada é de R$ 2,3 bilhões

País tem muito para crescer no uso da nuvem pública, tanto que no ranking global está em 13º lugar, observa a IDC Brasil. As SD-WANs também se consolidam no mercdo nacional, mas a falta de mão de obra capacitada é um entrave.

Startup investe na nuvem e viabiliza atendimento médico no interior do Amazonas

Portal Telemedicina usa APIs do Google Cloud, Firebase e ML Engine para armazenar dados de pacientes, além de detectar doenças e priorizar atendimento em clínica da cidade de Coari,  localizada a 444 quilômetros de Manaus.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.

Data Centers: agora é hora de ver acontecer

Por Gilberto Gonzaga*

O que recentemente era apenas uma tendência já pode ser observado na prática. A expectativa, agora, é que esses movimentos se consolidem cada vez mais e nos levem a uma nova era de conectividade, da qual a América Latina não ficará de fora.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site