INTERNET

No Brasil, 40% afirmam não saber usar a internet

Luís Osvaldo Grossmann ... 21/02/2018 ... Convergência Digital

O IBGE divulgou nesta quarta-feira, 21/02, novos dados sobre o uso da internet no Brasil, ainda decorrentes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad C), realizada no fim de 2016. O cenário é de avanço na inclusão digital, muito beneficiada pela multiplicação dos smartphones e das conexões WiFi. Mas enquanto preço e disponibilidade se tornaram problemas secundários, os dados sugerem que a maior barreira ao acesso é o desconhecimento. Praticamente 40% dos brasileiros dizem não saber usar a internet. 

“Os dois motivos mais apontados para a não utilização da rede – não sabiam usar a Internet (37,8%) e falta de interesse em acessar a Internet (37,6%) – abrangeram praticamente o mesmo percentual das 63,35 milhões de pessoas que não utilizaram a Internet no período. O serviço de acesso à Internet era caro, indicado por 14,3% das pessoas que não utilizaram a Internet, foi o motivo seguinte, enquanto os demais ficaram abaixo de 6%”, relata o IBGE. 

O preço como barreira ainda existe. Segundo a pesquisa, 14,3% indicaram essa como principal motivo para não ter conexão. Além disso, a disponibilidade, embora ampla nas cidades, segue restrita no meio rural. Entre brasileiros desconectados nas áreas rurais, 16,1% apontaram a falta de serviço nos locais em que costumavam frequentar. 

A importância do celular é evidente. Segundo a pesquisa, 77,1% de quem tem 10 anos ou mais possui um aparelho para uso pessoal. E enquanto a internet estava presente em 48,1 milhões de domicílios no fim de 2016, em mais de um quarto deles, 26,7%, a única conectividade era 3G ou 4G. Mais do que isso, para 33,4% das pessoas, o celular é o único meio de acesso a internet.

Ainda assim, a banda larga fixa foi apontada como a conexão mais usada, por 81%, enquanto dados móveis por 76,9%. “Constatou-se que é comum o uso de mais de um tipo de conexão, pois, das pessoas de 10 anos de idade que utilizaram a Internet, 21,5% o fizeram somente por banda larga fixa e 17,4%, somente por banda larga móvel”. Sinal de que o apetrecho para conectar costuma ser o celular, mas de preferência quando há WiFi disponível. 

Faz sentido, especialmente diante das preferências medidas pelo IBGE. Se praticamente todos (94,2%) troca mensagens, sejam de voz, texto ou imagem, “assistir a vídeos, inclusive programas, séries e filmes, foi apontada por 76,4% dessas pessoas, vindo logo em seguida conversar por chamadas de voz ou vídeo (73,3%) e, por último, enviar ou receber e-mail (69,3%)”.

“O acesso pelo celular está acima de 90% em todas as grandes regiões. Além da velocidade, o celular permite acessar a Internet por redes sem fio públicas ou gratuitas, sem exigir uma rede de transmissão de dados”, resume a gerente da pesquisa do IBGE, Maria Lucia Vieira. 

No geral, a pesquisa mediu que a Internet era utilizada em 48,1 milhões, ou 69,3% dos 69,31 milhões de domicílios do país, estando disseminada na maioria dos domicílios em todas as Grandes Regiões: no Sudeste, 76,7% das residências a possuíam; no Centro-Oeste, 74,7%; no Sul, 71,3%; no Norte, 62,4%; e no Nordeste, 56,6%.


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G