INTERNET

Anatel volta a adiar decisão sobre franquia na banda larga fixa

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/03/2018 ... Convergência Digital

Quase dois anos depois de impedir o uso de franquias nas ofertas de banda larga fixa, a Anatel decidiu adiar, mais uma vez, agora por mais 180 dias, a conclusão dos estudos que deverão subsidiar uma decisão definitiva sobre o tema. Segundo a agência, até aqui é baixa a adesão à consulta a especialistas e mesmo órgãos públicas para que se manifestem sobre o uso de franquias. 

O novo adiamento, aprovado em circuito deliberativo do Conselho Diretor da Anatel, tem portanto objetivo expresso “para que as contribuições da sociedade civil possam ser adequadamente reiteradas pelo grupo executivo”. A agência, vale lembrar, criou inicialmente uma consulta restrita a especialistas selecionados, deixando para uma etapa posterior a abertura de eventual consulta pública.

Como destaca o relator do assunto, conselheiro Otávio Rodrigues, a maioria dos convidados ainda não se manifestou – nem mesmo o próprio Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações ou o Conselho Federal da OAB, que na época foi um dos entes que mais verbalizou restrições a adoção de franquias nos contratos de conexão fixa à internet. 

“Apenas 5 das 11 entidades indicadas expressamente por este Conselho responderam à consulta, sendo que importantes agentes e entidades - como o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações - MCTIC, CGI.br, IDEC e Conselho Federal da OAB - ainda não apresentaram suas contribuições”, relata Rodrigues. 

Além disso, “dentre as 192 notificações adicionais, apenas 19 obtiveram resposta, indicando-se, dentre os que não responderam, “membros do Conselho de Defesa dos Usuários de Serviços de Telecomunicações da Anatel – CDUST, ex-Conselheiros Diretores da Agência, acadêmicos renomados, consultorias e representantes dos Poderes Legislativo e Judiciário”. 

O tema ganhou forte apelo ainda em 2016, a partir da decisão da Telefônica/Vivo de suspender os acessos fixos de banda larga ao fim das franquias contratadas. A prática, corrente nos contratos de banda larga móvel, é prevista contratualmente na fixa mas até então não tinha sido efetivamente aplicada. 

Esse movimento, porém, foi imediatamente criticado – em apenas um dia, um abaixo assinado contra a prática recolheu mais de 1 milhão de assinaturas. A pressão social levou a Anatel a baixar uma medida cautelar, ainda em abril de 2016, que impede as empresas de adotarem o corte das conexões ao fim da franquia – medida que segue em vigor até um posicionamento definitivo da agência. 


Provedores defendem modelo da TV Digital para resolver uso dos postes

Proposta da Abrint prevê que no lugar de mudanças na resolução Anatel/Aneel seja constituído uma espécie de ‘Gired’ ou um foro permanente para negociações e mesmo determinações para a regularização das estruturas.

STF: Relatores dizem que é inconstitucional barrar apps de transporte

Ações questionam leis de São Paulo e Fortaleza que limitam ou mesmo proíbem transporte por aplicativos como Uber e assemelhados. Julgamentos foram suspensos por pedido de vista.

Justiça nega proibição a jogo onde Bolsonaro espanca mulheres, negros e gays

Em nova tentativa do Ministério Publico, 14ª Vara Cível de Brasília entendeu que jogos eletrônicos são obra intelectual com livre manifestação de pensamento.

Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G