TELECOM

PROTESTE: Teles não seguem o que diz o Marco Civil

Convergência Digital ... 05/04/2018 ... Convergência Digital

A PROTESTE, associação de consumidores, realizou uma pesquisa e constatou que apesar do Marco Civil garantir acesso à internet como um serviço essencial à toda população e que o bloqueio do acesso à rede móvel só deva acontecer para quem não pagou a conta, estabelecendo o direito à continuidade, as empresas de telefonia ditam suas próprias regras fora da lei vigente.

Em 2016, a PROTESTE ingressou com ação civil pública contra o bloqueio da internet móvel e fixa, pedindo que as operadoras Vivo, Oi, Claro, Tim e Net sejam impedidas de vender novos planos com previsão de bloqueio à conexão. Além disso, a Associação também pediu que as operadoras fossem obrigadas a se adequarem aos termos do Marco Civil.

A associação analisou, entre os dias 6 e 8 de fevereiro, os regulamentos dos principais planos pré-pagos, pós-pagos e controle das quatro maiores operadoras do Brasil: Tim, Vivo, Oi e Claro. Foram estudados 16 regulamentos e ficou constatado que a maioria deles deixa claro que, em caso de término da franquia de dados, o acesso à internet será bloqueado, contrariando o Marco Civil.

Somente o plano pós-pago da Oi informa que a velocidade será "apenas reduzida a um nível muito baixo, após o consumidor atingir o limite contratado (64 kbps)". Entretanto, essa velocidade é extremamente lenta inviabilizando o acesso básico à internet. Na ação civil pública ajuizada pela PROTESTE, o pedido é para que, finda a franquia (= volume de dados contratados mensalmente), a velocidade seja reduzida para 1Mbits/s.

Também foi realizada uma pesquisa nos sites das operadoras para descobrir os valores que elas cobram pelos pacotes adicionais. No que se refere a preços, o plano mais em conta ficou para os clientes do plano Tim Beta Lab: 100 MB por R$ 0,65. O segundo lugar ficou com a versão mais básica do primeiro plano: TIM Beta por R$ 0,90. Na terceira posição está a Claro, que oferece o mesmo serviço pelo valor de R$ 1,39, seguida da Vivo 3G, por R$ 1,49.

Já os planos 4G possuem um preço mais salgado: A TIM, operadora que até então possuía os menores preços, cobra R$ 6 para 150 MB e a Vivo, R$ 3,99. A operadora OI cobra R$ 0,99 pelo menor serviço dentre todas, com apenas 60 MB. As operadoras alegam que podem bloquear a Internet, inclusive dos contratos que não preveem o corte, já que eles são mensais e contínuos, ou seja, sem validade. Assim, qualquer alteração das cláusulas do contrato seria válida. Porém, a associação alerta que essa atitude, além de ferir o Marco Civil, descumpre o Código de Defesa do Consumidor (CDC), que também proíbe o bloqueio ao acesso à Internet.

De acordo ainda com a PROTESTE, os planos ofertados pelas operadoras que após o término do volume de dados contratado, permite o acesso apenas a determinada aplicação, como Facebook e WhatsApp viola outra garantia do Marco Civil da Internet – a neutralidade da rede, pois neste caso ocorre discriminação por aplicação, o que é proibido pela lei.

A Associação reporta que o bloqueio começou com a oferta do serviço 4G. O problema se estende também a questões de segurança: devido a restrição inadequada de internet, dispositivos de rastreamento de veículos, alarmes residenciais, entre outros, podem parar de funcionar.


Internet Móvel 3G 4G
Streaming já representa 38% do faturamento da indústria musical

Em 2017, serviços como Spotify e Apple Music tiveram receitas superiores à venda física e por meio de downloads. América Latina respondeu por 17,7% do faturamento de R$ 60 bilhões.

Proteste recorre à Anatel para proibir cobrança do ponto extra de TV paga

Entidade de Defesa dos Consumidores quer que o órgão regulador crie uma resolução que, efetivamente, impeça a cobrança. Segundo a Proteste, a proibição já existe, mas ela é burlada e acontece sob a justificativa de 'aluguel de equipamento habilitado'.

Nextel vai pagar R$ 68 milhões pela migração para SMP

Conta diz respeito à adaptação das outorgas na faixa de 800 MHz, ainda em 2015. Valor inicialmente previsto era de R$ 411 milhões.

Anatel quer opinião de usuários em novas regras de direito do consumidor

Revisão aproveita ajustes no Regulamento Geral de Direitos do Consumidor (RGC) para ampla consulta sobre os problemas enfrentados qual deve ser a atuação do regulador. “Clareza e resolutividade ainda são dificuldades das operadoras”, afirma a superintendente Elisa Leonel.

Teles: bloqueio após o fim da franquia não afronta o Marco Civil da Internet

Em nota oficial, o SindiTelebrasil diz que a "A PROTESTE insiste em querer fazer prevalecer a sua interpretação equivocada sobre a legislação aplicável à Internet".

Oi desembolsa R$ 51 milhões para pagar cerca de 500 credores

Operadora pagou as credores que fizeram a escolha da opção de pagamento em fevereiro. "Este é mais um passo no cumprimento da recuperação judicial", afirma o presidente da companhia, Eurico Teles.

Fox obtém vitória na Justiça do Uruguai e tenta replicar no Brasil decisão contra pirataria

Segundo um relatório da NetNames, de 222 milhões de usuários da internet na América do Sul, 110 milhões acessam conteúdos piratas.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G