Convergência Digital - Home

Transformação digital estimula migração de aplicações críticas para a nuvem

Convergência Digital
Convergência Digital - 10/04/2018

No primeiro semestre de 2017, o mercado global de serviços de nuvem pública cresceu 28,6% em relação ao mesmo período de 2016, gerando uma receita de 63,2 milhões de dólares. Estima-se que em 2018 haverá um crescimento de 40% em investimentos para soluções em nuvem na América Latina. Os dados são da IDC.

Especializada em soluções de emulação de servidores legados de multiplataformas corporativas,  a Stromasys sustenta que computação em nuvem é, atualmente, uma necessidade crítica para negócios de todos os tamanhos. E há a projeção de grandes migrações de aplicações de missão crítica para a nuvem neste ano, especialmente nas instituições financeiras latinoamericanas. A IDC também destaca que, em 2018, a despesa global de infraestrutura e serviços de nuvem pública chegará a 160 milhões de dólares, o que representa um aumento de 23,2% em relação a 2017.

"A América Latina está na vanguarda deste crescimento. Os bancos, que anos atrás estiveram preocupados com a nuvem devido a questões de segurança, agora estão migrando aplicações e sistemas legados", afirma Robert Ruiz, diretor da Stromasys para a América Latina e Caribe. "A emulação desses sistemas clássicos na nuvem torna-se útil para as empresas financeiras ao resolver seus problemas de manutenção, aumentar a capacidade de armazenamento e expansão do sistema e diminuir sua área de cobertura", explica o executivo.

A contínua capitalização dos investimentos nesses aplicativos de missão crítica e a lucratividade são algumas das maiores vantagens que a virtualização oferece. Além disso, menores custos de suporte, economia de energia e espaço, eficiências operacionais e mitigação de riscos que podem afetar os negócios devido à falha de sistemas legados também contribuem para que os clientes obtenham um maior retorno sobre o investimento. "Os setores bancário e financeiro, portanto, estão investindo mais em emulação e virtualização à medida em que o processo de transformação digital continua", explica Ruiz.

Em nível global, a migração está evoluindo mais rápido e muitas organizações públicas e empresas privadas já implementaram soluções em nuvem. "Entretanto, apesar das vantagens da virtualização de plataformas clássicas, muitas instituições estão atrasando sua emulação de hardware até o momento em que isso é absolutamente necessário", comenta John Prot, CEO da Stromasys. "Por esse motivo, as empresas devem avaliar sua infraestrutura de TI e escolher a virtualização como um meio de migrar para uma solução acessível", finaliza o executivo.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Big data: Brasil deve elevar investimento em 25% este ano

Estimativa do Gartner foi apresentada por Bruno Russo, integrante da unidade de negócios da Localweb Corp, durante webinar promovido pela Assespro-SP. “O movimento que as empresas estão fazendo hoje é investir em cada vez menos em infraestrutura e cada vez mais em dados", destacou.

Empresário brasileiro é mais confiante em seus recursos de análises de dados

Segundo a consultoria KPMG, apenas 15% dos empresários brasileiros não confiam nos recursos de análises de dados utilizados, se comparados com os Estados Unidos e o Reino Unido, que apresentam baixa probabilidade de confiar nos recursos (42% e 43%, respectivamente).



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site