Convergência Digital - Home

Banpará troca IBM e HP pelos servidores Nutanix no core bancário

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 10/05/2018

O Banco do Estado do Pará (Banpará) economizou R$ 15 milhões na implantação de uma solução de inteligência de negócio (business intelligence — BI) para a área de concessão de crédito consignado ao, em vez de optar por um produto pronto de mercado, comprar separadamente as camadas e fazer a interação do appliance.

Em entrevista ao Convergência Digital, durante o .Next18, evento da Nutanix que ocorre nesta semana em Nova Orleans (EUA), Eugênio Luis de Soussa, diretor de tecnologia do Banpará, explicou que o banco não possuía BI e que, há cerca de dois anos, decidiu investir em um projeto. "Ouvimos algumas empresas e eram projetos milionários, na faixa dos R$ 20 milhões e não tínhamos isto para investir", disse.

Soussa, então, decidiu "desmontar o lego" para entender o que precisaria. Uma das primeiras decisões foi optar por um ambiente hiperconvergente. Depois empenhou-se em  buscar fornecedores para as diferentes camadas. A Qlik foi escolhida para ser o analisador de dados, a camada de apresentação de software. Para a camada de trabalho de data lake do BI ficou com Cloudera Haddop e a Nutanix foi eleita para a camada de infraestrutura. "Vi que a Nutanix se encaixava com Cloudera e Qlik, porque tudo tinha de vir tudo integrado; eu tinha de ter certeza de que todas as peças iam se encaixar", destacou.

Após quase um ano de conversas com a Nutanix para fechar o projeto, o Banpará instalou oito nós em fevereiro deste ano. Os resultados do projeto — e a economia que o banco teve — levaram o CIO a expandir a adoção de Nutanix para outras áreas. "O sucesso do BI me deu condições técnicas para decidir por expandir e optamos por refazer o ambiente de produção para aumentar o poder de processamento para aguentar o crescimento do banco para os próximos dois anos", disse. 

O Banpará comprou mais 42 nós da Nutanix que vão substituir o ambiente de produção, atual, que contam com equipamentos IBM e HP. O ambiente de produção engloba o core bancário, isto é, as áreas de crédito, internet banking, conta corrente, pagamentos, Sistema brasileiro de Pagamentos e seguros. Os Nutanix vão rodar suítes Oracle, Java, SQL Server. .NET.  O CIO explica que os equipamentos IBM e HP serão direcionados para rodar as aplicações do ambiente de homologação, desenvolvimento e testes.

Além disto, Soussa adiantou que o banco deve comprar mais dez nós para fazer um novo projeto de BI, desta fez direcionado à segurança e à identificação de fraudes. Com o BI para o crédito consignado, o Banpará investiu cerca de R$ 5 milhões, bastante abaixo das cotações de R$ 20 milhões que havia feito. Para a migração do ambiente de produção, o banco está investindo R$ 14 milhões e para o projeto de BI na área de segurança, Soussa calcula investimentos de R$ 3 milhões.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Big data: Brasil deve elevar investimento em 25% este ano

Estimativa do Gartner foi apresentada por Bruno Russo, integrante da unidade de negócios da Localweb Corp, durante webinar promovido pela Assespro-SP. “O movimento que as empresas estão fazendo hoje é investir em cada vez menos em infraestrutura e cada vez mais em dados", destacou.

Empresário brasileiro é mais confiante em seus recursos de análises de dados

Segundo a consultoria KPMG, apenas 15% dos empresários brasileiros não confiam nos recursos de análises de dados utilizados, se comparados com os Estados Unidos e o Reino Unido, que apresentam baixa probabilidade de confiar nos recursos (42% e 43%, respectivamente).



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site