Home - Convergência Digital

Huawei fecha acordo com Positivo para voltar a vender celulares no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 06/06/2018

Cinco anos depois da primeira tentativa, a Huawei vai voltar a apostar na venda de smartphones no Brasil. A fabricante chinesa anunciou nesta quarta, 6/6, um acordo com a brasileira Positivo, que primeiro vai importar e comercializar os aparelhos, mas com planos de trazer a montagem também para o país.

“O custo ainda é alto para fabricação [no Brasil]. Viremos passo a passo. Vamos tentar introduzir os produtos aos consumidores. Se os brasileiros gostarem muito, vamos para o próximo plano”, afirma o chefe de desenvolvimento de equipamentos da Huawei no Brasil, Adam Ersong. E o que seria uma indicação de que os brasileiros gostaram? “Se conseguirmos pelo menos 1% de market share no primeiro ano, pode acontecer”, completa.

O anúncio fez parte das comemorações de 20 anos da chegada da fabricante chinesa no país. E marca uma virada importante nos negócios da empresa. Segundo seu chairman global, Liang Hua, este ano, pela primeira vez, as receitas com produtos de consumo, dos quais os smartphones são o carro-chefe, serão superiores ao faturamento com equipamentos de rede.

A Huwei vendeu 153 milhões de celulares em 2017, o que representou 8,8% do mercado mundial de aparelhos. Para 2018, projeta uma fatia um pouco maior, de 11,3%. A empresa já é a terceira maior no ramo, atrás apenas da coreana Samsung e da norte-americana Apple. E parte para uma estratégia que inclui as vendas no Brasil para tentar tomar o segundo lugar da dona dos iPhones.

A meta indicada pela Huawei significa conseguir vender 500 mil aparelhos no primeiro ano. Em princípio chegarão o celular top da fabricante, a linha P20, e um intermediário, da linha chamada ‘nova’. Da parte da Positivo, que já atua na revenda de aparelhos de entrada, há uma clara confiança de que a ‘fase 2’ virá em breve.

“Nesta primeira etapa temos o licenciamento pela Positivo. Vamos trabalhar na criação e percepção dessa marca pelos brasileiros. São produtos muito premium, um segmento que ainda não atuamos porque estamos mais colocados em produtos de entrada. Mas existe um plano de médio-longo prazo. Nosso objetivo é sermos os fabricantes”, revela o vice-presidente de mobilidade da Positivo, Norberto Maraschin Filho.

A expectativa da Huawei e da Positivo é que os aparelhos comecem a ser vendidos em agosto, no máximo em setembro deste 2018. Os executivos não quiseram adiantar qual será o preço dos produtos no Brasil, mas dão pistas de que são aparelhos, como o P20, que virão competir com as linhas premium da concorrente Samsung. Na Europa, onde já foi lançada, essa linha top está na casa dos 800 Euros, ou coisa de R$ 3,5 mil.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/10/2018
Prefeituras e Ministério da Justiça avaliam plataforma chinesa que alia IA à segurança pública

10/10/2018
Faltam redes para o Brasil poder 'brincar' de Inteligência Artificial

10/10/2018
Chips com Inteligência Artificial são aposta da Huawei para negócios na nuvem

20/09/2018
Simulador de incidentes para smartphones vence Hackathon para Indústria 4.0

19/09/2018
Cada US$ 1 investido em tecnologias digitais adicionou US$ 20 ao PIB

18/09/2018
Brasil vende menos celulares no primeiro semestre

13/09/2018
Smartphones serão principal instrumento para compras online

13/09/2018
Huawei vai oferecer filmes e séries pelo celular

03/09/2018
Mais de 40% dos brasileiros se assumem como dependentes do smartphone

23/08/2018
Austrália impede Huawei e ZTE de fornecerem redes 5G

Destaques
Destaques

FCC, dos EUA, impõe ‘Lei das Antenas’ para acelerar redes 5G

Regra aprovada pelo regulador dos Estados Unidos prevê entre 60 e 90 dias como prazo máximo para licenças de instalação de equipamentos, em especial, para as small cells. Lá também há burocracia e o prazo de espera pode chegar a um ano. No Brasil, a situação não é diferente.

BNDES recebe 54 projetos de IoT e selecionados terão apoio de R$ 30 milhões

São 23 projetos que propõem soluções de Internet das Coisas para cidades, 17 para saúde e 14 para campo. Juntos, envolvem investimentos de R$ 360 milhões. Banco vai selecionar, até outubro, as empresas que vão receber empréstimos não reembolsáveis.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site