INTERNET

Ao analisar Oi, Anatel diz que não há quebra de neutralidade de rede sem prejuízo intencional

Luís Osvaldo Grossmann ... 07/06/2018 ... Convergência Digital

Ao analisar uma das obrigações assumidas pela Oi para comprar a Brasil Telecom, a Anatel acabou por estabelecer uma nova análise sobre o que entende por neutralidade de rede e a legalidade da prática conhecida como ‘zero rating’. Pelo entendimento de parecer aprovado nesta quinta, 7/6, a agência sustenta que não há quebra de neutralidade se não houver prejuízo intencional.

“A neutralidade não é atributo técnico intrínseco a rede de telecomunicações, mas remete à conduta do responsável pelo seu gerenciamento, ou, mais precisamente, à inexistência de prejuízo intencional, seja potencial ou real, em decorrência das medidas por ele adotadas para gerir a transmissão, a comutação e o roteamento dos pacotes de dados”, dizem os termos aprovados no relatório do conselheiro Leonardo Morais.

O caso específico trata da obrigação assumida pela Oi para comprar a BrT de preservar a neutralidade de rede. Para atestar isso, foi feita uma pesquisa sobre as reclamações apresentadas à agência desde 2009, a partir de mineração de texto (das queixas). Verificou-se que até abril deste 2018 a Anatel recebeu 1.262 reclamações potencialmente relacionadas à quebra de neutralidade de rede.

Para a agência, diante do total de 26 milhões de reclamações no período, o número é insignificante, especialmente no caso da Oi, alvo de 193 dessas potenciais queixas (atrás da Claro, com 550; e da Vivo, com 372). Segundo Leonardo de Morais, esse total representa meros 0,0007% das reclamações contra a operadora. Daí ter sido aprovado o ateste de que a empresa cumpriu o mencionado condicionante para a compra da BrT.

Mas assim como o relatório aprovado abre uma nova interpretação da agência sobre a neutralidade de rede, também a prática do ‘zero rating’ é legitimada pela Anatel. O entendimento firmado é de que “desde que a conduta dos responsáveis respeite o previsto no Marco Civil da Internet e os direitos dos consumidores, não há que se falar em ofensa a neutralidade de rede na prática de tarifação zero”.


Coalizão Direitos na Rede diz que vetos enfraquecem Lei de Proteção de Dados

Carta subscrita por 30 entidades lembra que efetividade da nova legislação está comprometida até que seja criada a autoridade nacional de fiscalização.

Banco Inter pode pagar R$ 10 milhões por vazamento de dados pessoais

Comissão de Proteção dos Dados Pessoais do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) diz que instituição financeiro tentou encobrir o incidente de segurança. Investigação do MPF constatou que houve comprometimento de dados de quase 20 mil correntistas.

Banda larga cresce puxada por fibra óptica e pequenos provedores

Brasil terminou junho com 30,3 milhões de acessos fixos à internet, alta de 5% no primeiro semestre de 2018, período em que conexões em fibra saltaram 35%. Pequenos detém 71% das adesões líquidas.

Governo Trump prepara regras de proteção a dados pessoais

Departamento do Comércio dos EUA já fez mais de 20 reuniões com grandes da internet e das telecomunicações, como Facebook, Google, AT&T e Comcast. No Brasil, projeto aprovado no Congresso Nacional aguarda a sanção do presidente Michel Temer.

Novo estudo identifica internautas só com metadados e 96,7% de acerto

Pesquisa da University College of London se valeu de 5 milhões de contas do Twitter. Estudo indica que mesmo quando são usadas técnicas de ofuscação, a identificação acontece mostrando que uma mensagem na rede social revela idade, gênero, orientação política e o estado de ânimo de grupos ou indivíduos.

Revista Abranet 24 . maio-junho-julho 2018
Veja a Revista Abranet nº 23 A Convenção Abranet 2018 reuniu, na Bahia, cerca de cem empresas de internet. As discussões foram além do dia a dia e abordaram aspectos como planejamento, inovação e estratégia.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G