Convergência Digital

Fintechs brasileiras investem pouco em serviços para os desbancarizados

Da redação - 11/06/2018

O Brasil possui, hoje, cerca de 60 milhões de desbancarizados, segundo o último estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse número representa quase metade da população economicamente ativa, estimada em 110 milhões de pessoas. O grupo movimenta R$ 665 bilhões ao ano, mais do que o PIB de países como Chile e Cingapura e está espalhado pelas classes econômicas, revela reportagem do Estado de São Paulo.

Como muitos negócios da população desbancarizada são informais e a maioria das pessoas das classes B e C não consegue comprovar renda, esse público é negligenciado pela rede bancária tradicional. "Só agora o estigma de que esse mercado não é rentável começa a ser quebrado, até mesmo porque a tecnologia permite que as instituições operem com custos mais baixos", afirma Bruno Diniz, coordenador do núcleo de fintechs da Associação Brasileira de Startups (ABStartups).

A desbancarização não é uma particularidade brasileira. O Banco Mundial calculou, em 2011, que havia 2,5 bilhões de desbancarizados no mundo e 200 milhões de micro e médias empresas sem acesso a serviços financeiros e crédito pelos quais pudessem pagar. Com a disseminação das fintechs, o Banco Mundial afirma que o número de pessoas sem acesso a serviços bancários caiu para 1,7 bilhão de pessoas.

O desafio, porém, ainda é grande, especialmente por conta dos semibancarizados (quem tem conta, mas nenhum outro serviço financeiro, como empréstimos e investimentos) que somam 6 bilhões de pessoas no mundo. Esse é um mercado potencial para as fintechs, mas, atualmente, menos de 10% das 350 fintechs que atuam no Brasil olham para quem não tem conta ou acesso aos serviços financeiros básicos.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis
BB pede reavaliação dos controles para competir com bancos privados

O vice-presidente de Tecnologia da instituição, Antônio Gustavo do Vale, lembra que a imposição de um modelo mais rígido de contratação de talentos transformou-se em um gargalo na jornada digital.

Mobile banking da CEF chega a 1 bilhão de transações

Marca valida a estratégia do banco e mostra que iniciativas digitais estão avançando, revela o vice-presidente de TI da instituição, José Antonio Eirado.

Banco da Amazônia adota geolocalização da Fóton no mobile banking

Desenvolvida pela empresa nacional Fóton, a aplicação permite a restrição de limites de transação móvel em função do local onde foi feita.

Caixa Econômica vai ter assistente de voz dentro do Google

Com mais de 150 anos, instituição se reinventa para enfrentar a jornada da transformação digital. As iniciativas vão do open banking à criação de empresas 100% digitais, conta o superintendente Nacional de Arquitetura Empresarial da Caixa, Rodrigo Evangelista de Castro.


Ciab Febraban 2018 - clique aqui e confira a cobertura completa.
Editora Convergência Digital
Copyright © 2005-2018 Editora Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site