Home - Convergência Digital

Brasil perdeu o direito de errar com a formação dos jovens

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 03/07/2018

No Brasil, apenas 10% dos jovens entre 15 e 17 anos recebem educação técnico-profissional. Enquanto isso, no Japão, são 70%, o mesmo índice da Finlândia. Na Áustria, são 76%. “É preciso mudar a matriz, ver a educação como fator principal da competitividade”, disse o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Rafael Lucchesi.

A preparação dos trabalhadores para atuar em um modo de produção diferente do atual é o principal obstáculo para o Brasil embarcar na onda da indústria 4.0. Enquanto algumas profissões devem ser extintas, outras vão exigir um tipo diferente de formação e de treinamento, sem necessariamente a obrigatoriedade de uma faculdade.

Dados do Ministério do Trabalho mostram que o profissional de nível técnico pode alcançar uma remuneração até maior do que a de determinadas áreas que exigem formação superior, como jornalismo e economia. Profissionais técnicos de áreas como eletromecânica, química e energia com um ano de casa ganham na faixa de R$ 7,2 mil, segundo o Relatório Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho, base de 2016. Trabalhadores com dez anos de experiência atingem salários de R$ 10 mil.

Para Lucchesi, o Brasil não pode errar mais. "Já ficamos para trás na transformação que houve na terceira revolução industrial, a da microeletrônica”, disse o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Rafael Lucchesi. Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria mostra que o segmento está muito atrasado.

Segundo o levantamento, 77,8% das empresas ainda estão nos estágios mais atrasados de aplicação de tecnologia. Em metade delas, o uso das tecnologias de informação e comunicação (TIC) é apenas pontual. A outra metade está um passo adiante, usando as TICs, mas com integração de apenas algumas áreas. No estágio seguinte, no qual a integração de áreas é total, estão 20,5% das indústrias pesquisadas. E apenas 1,6% está na fronteira, com integração digital total e uso de inteligência artificial.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/07/2018
A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

03/07/2018
Brasil perdeu o direito de errar com a formação dos jovens

14/06/2018
STJ começa a usar inteligência artificial em processos

05/06/2018
China investiga cartel de chips DRAM liderado pela Samsung

05/06/2018
Televisores mantém indústria de eletrônicos em alta, diz IBGE

09/05/2018
São Paulo terá curso de graduação para formar profissional 4.0

08/05/2018
Oi expande uso de chatbot para o facebook messenger

01/05/2018
Michael Dell: "Não há homens ou máquinas. Os dois só sobrevivem juntos"

27/04/2018
Negócios gerados por inteligência artificial crescem 70% e superam US$ 1 trilhão

26/04/2018
Bradesco passa a usar WhatsApp como canal de relacionamento com cliente

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Por MarcosSantos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

Brasileiro revela pavor de perder o emprego

Estudo da Confederação Nacional da Indústria mostra que os profissionais brasileiros nunca ficaram tão preocupados com o emprego quanto agora. Sentimento cresce entre os homens, mas são as mulheres as mais assustadas com a possibilidade de demissões.

Profissional do futuro simplesmente não existe

A advertência foi feita pela futurista Lala Deheinzelin, criadora do movimento "Crie Futuros". Segundo ela, já não se pode mais pensar em uma profissão ou em um profissional. É preciso imaginar células, cada uma com sua capacidade. A união de todas elas é que será, de acordo com a especialista, capaz de nos levar a um mundo desejável.

Flexibilização no trabalho: prática bem longe da realidade no Brasil

Pesquisa mostra que 75% dos brasileiros ainda trabalham no formato tradicional: no escritório e no horário comercial. Estudo mostra ainda que 58% das empresas não fornecem recursos suficientes para viabilizar o home office.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site