INTERNET

São Paulo quer sistema único para gerir emaranhado de cabos e redes

Por Roberta Prescott* ... 18/07/2018 ... Convergência Digital

O ordenamento das redes, sejam aéreas ou subterrâneas, é cada vez mais urgente para resolver o problema do emaranhado de fios nos postes, muitos deles em decorrência da ocupação clandestina, e do congestionamento dos dutos no subsolo. O tema foi mais uma vez debatido em workshop realizado na Fiesp, nsta quarta-feira (18/7).

No evento, representantes da prefeitura, da Eletropaulo, do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo (Seesp) e da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) trataram de soluções tecnológicas e padronização de procedimentos para a execução de projetos, obras e fiscalização. Também abordaram as necessidades de realização de planejamento integrado e compartilhamento da infraestrutura das redes aéreas e subterrâneas.

Representando Vitor Levy Castex Aly, secretário da Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras (SIURB) do Município de São Paulo, Marcos Romano, explicou que a prefeitura criou um grupo interno com a presença de algumas empresas de telecomunicações para entender as necessidades decorrentes das novas tecnologias e como os projetos devem ser encaminhados. 

Romano aproveitou o encontro com o setor para compartilhar detalhes do projeto GeoConvias, que está mudando de nome para GeoInfra, mas segue com o objetivo  de ter registrado em um sistema único toda a infraestrutura da cidade, seja aérea, seja subterrânea. Como benefício, Romano citou a disponibilização da base de dados georreferenciados unificada das instalações das permissionárias.

A prefeitura está, inclusive, migrando o sistema do Smallworld da GE para uma solução baseada em software livre. “Hoje temos duas redes de telecomunicações cadastradas e temos outros cadastros em fase de formatação”, detalhou. O escopo do projeto é vasto, ressaltou Romano, explicando que apenas neste ano as empresas de telecom apresentaram 350 projetos e outras concessionárias, como a Comgás, têm planos de expansão. “Todas as empresas estão com volume de obra muito grande”, frisou.

Para Carlos Augusto Kirchner, diretor do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo (Seesp/FNE), os municípios precisam ter papel de protagonistas no combate ao emaranhado de cabos. Kirchner relatou o caso de Bauru, onde a Secretaria de Obras, por meio da Comissão de Infraestrutura Aérea Urbana de Bauru (Coinfra), levo a cabo uma iniciativa de limpeza de cabeamento.

“Sob liderança da CPFL e com participação das empresas de telecomunicações, fizemos um plano de ação para que a totalidade do material que foi abandonado no espaço público aéreo fosse removida e dada a destinação devida”, disse. Com isto, Bauru pretende aumentar a cobertura de banda larga no município, oferecer melhor qualidade dos serviços prestados, efetuar a correção dos desordenamentos de cabos e retiradas de todas as reservas técnicas em desacordo com as normas técnicas.

Cenário de insatisfação

Arrumar a desordem na ocupação dos postes está entre as prioridades da Eletropaulo. O cenário atual é de insatisfação por parte de todos os entes afetados, da população ao poder público. A distribuidora recebe 7 mil ligações por ano reclamando de cabos no chão e direciona equipe para até local. Contudo, conforme explicou Sidney Simonaggio, vice-presidente de relações externas da Eletropaulo, as equipes, ao chegar, constatam que se trata de cabos de telecom.

Simonaggio pontuou que é importante acelerar a velocidade do reparo e que a ausência de notificação da distribuição não elide a responsabilidade dos ocupantes dos pontos. Para dar agilidade ao processo, a empresa criou internamente uma coordenação de compartilhamento de postes, com equipe de fiscalização, operação de campo, análise técnica de projetos, entre outros. 


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G