NEGÓCIOS

BC: Pagamento móvel ainda distante do brasileiro. Dinheiro vivo mostra força

Ana Paula Lobo* ... 19/07/2018 ... Convergência Digital

O Banco Central (BC) divulgou, nesta quinta-feira (19/7), a pesquisa "O brasileiro e sua relação com o dinheiro", de 2018. O estudo traz a percepção da população e do comércio sobre conservação das cédulas, a forma como armazenam e transportam o dinheiro, meios de pagamento e elementos de segurança das notas.

Realizado periodicamente desde 2005, o estudo atualiza as informações da pesquisa de 2013. Atualmente, 19,3% da população guarda moedas por mais de seis meses. Além disso, 56,2% usam o dinheiro guardado no cofrinho para compras e pagamentos.

O dinheiro vivo ainda é o meio de pagamento mais utilizado pela população: 96,1% responderam que, além de outros meios, também fazem pagamentos em espécie. Na questão, os entrevistados podiam marcar mais de uma opção – 51,5% mencionaram cartão de débito e 45,5%, cartão de crédito. O pagamento móvel não é citado na pesquisa da Autoridade Monetária, ficando em outros meios, com apenas 7% de uso, o que prova que o meio ainda está bem distante da maior parte dos cidadãos brasileiros.

Para compras de até dez reais, 87,9% preferem utilizar dinheiro. Esse índice diminui com pagamentos de maior valor. Para desembolsos de mais de R$ 500,00, a maior parte (42,6%) prefere cartão de crédito. No comércio, 75,8% dos estabelecimentos aceitam pagamentos no débito e 74,1% no crédito. Apenas 16,3% aceitam cheques.

Segundo o comércio, os pagamentos em dinheiro representam 50% do faturamento, contra 55% em 2013. O cartão de débito aumentou de 14% para 20% sua fatia no fluxo de caixa dos estabelecimentos. Já o uso de cheques diminuiu 2 pontos percentuais, passando para apenas 1%. As vendas feitas em cartão de crédito ficaram estáveis no período, com 25%.

Segurança da cédula

Entre a população, a marca-d'água é o item de segurança mais conhecido, seguido do fio de segurança e da textura da nota. No comércio, a textura ou espessura do papel foi o item mais utilizado para reconhecimento de nota verdadeira , com 48%, seguido pela marca d’água e o fio de segurança.  A pesquisa mostra que 23% dos entrevistados declararam já ter recebido uma cédula falsa, o que representa uma redução de 5 pontos percentuais em relação a 2013, que registrou 28%. Daqueles que receberam notas falsas, apenas 28,3% entregaram para análise do Banco Central.

O hábito de verificar a autenticidade das notas está relacionado ao seu valor. Apenas 8,5% declararam verificar sempre as notas de R$2,00. Já para as notas de R$100,00, o percentual passa para 43,4%. Mesmo para as notas de maior valor, um percentual expressivo não verifica nunca: 39,2% para as de R$50 e 37,7% para as de R$100,00.
Leia a íntegra da pesquisa.

*Com informações do Banco Central do Brasil


Cloud Computing
Storage ganha protagonismo com adequação à LGPD

Legislação vai obrigar as corporações a atacar o descompasso entre comprar e implementar tecnologia, observa o vice-presidente e gerente-geral da Pure Storage para a América Latina, Wilson Grava.

Avanço dos hackers vai fazer brasileiro comprar mais seguros

O brasileiro faz seguro de bens materiais, mas está começando a entender que é preciso também proteger seus dados devido ao avanço dos crimes cibernéticos, observa o diretor da Capgemini Marcio Gropillo. Seguradoras correm contra o tempo para se adaptarem às novas demandas.

Facebook une 27 empresas, lança moeda virtual Libra e invade espaço dos bancos

Rede social pretende lançar a moeda no primeiro semestre de 2020. Microsoft, Uber e Vodafone estão na iniciativa.

Pegasystems chega ao Brasil para brigar pelo mercado de CRM e IA

Norte-americana, que atuava por meio de parceiros, abriu operação local e tem como objetivo rivalizar com Salesforce, IBM e Oracle. Empresa também quer atuar com prestadores de serviços de TI.

BRQ: desafio é pensar o negócio de forma diferente para entender a dor do cliente

O CEO e fundador da prestadora de serviços de TI, Benjamin Quadros, diz que a maneira de fazer software mudou muito nos últimos 20 anos e segue mudando por conta da disrupção digital. Mas adverte para a falta de bons profissionais.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G