Home - Convergência Digital

Tire a pretensão salarial do seu currículo

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 06/08/2018

Estimativas de mercado dão conta que as remunerações tiveram uma queda em torno de 40%, sendo que quem está empregado ganha, em média, apenas 60% do que os profissionais com a mesma função recebiam alguns anos atrás. Diante desse fato, a busca por recolocação demanda uma importante reflexão.

Para a gerente de Hunting e Outplacement da NVH- Human Intelligence, Fernanda Andrade, os candidatos precisam levar em consideração a possibilidade de ganharem menos do que ganhavam em seu último emprego. É preciso se adaptar à nova realidade e, demonstrar flexibilidade na hora de negociar o salário.

Uma das medidas a serem tomadas, aconselha a especialista, é não colocar a pretensão salarial no currículo. Esse tem que ser um item para ser abordado pessoalmente, mediante uma negociação. Evidentemente, o candidato não pode demonstrar desespero, a ponto de dizer que aceita qualquer quantia. É preciso se valorizar, mas sem ignorar a situação pela qual atravessa o país.

Ao contrário do que muitos pensam, afirma ainda Fernanda Andrade, aceitar ganhar menos não significa “sujar a carteira”, como se dizia antigamente. Até porque o modelo de contratação vem se transformando. Carteira assinada não é mais a única possibilidade de trabalho. Muitas pessoas descobriram novas oportunidades sob demanda. Muitos se transformaram em consultores independentes ou em prestadores de serviços por meio de pessoa jurídica. 

Mais do que a remuneração, os profissionais precisam avaliar as propostas por inteiro. Muitas empresas oferecem bons pacotes de benefícios, que incluem vales alimentação, refeição, transporte, participação nos lucros, entre outros. Às vezes, quando levadas em consideração, essas vantagens acabam até ultrapassando o salário anterior.

Além disso, um bom profissional sabe que a remuneração não é o único fator a ser considerado. Muitas vezes, o profissional sai ganhando mesmo com uma remuneração menor, devido a algumas facilidades como um emprego mais perto de sua casa, ou que ofereça a possibilidade de home office, por exemplo. Ter mais tempo para a família ou para si mesmo também é um grande benefício.

Outra questão importante a se considerar são as oportunidades de desenvolvimento de carreira. Se o salário não é ideal, mas a proposta está alinhada ao seu plano profissional, talvez compense. Precisamos sempre buscar uma carreira que nos traga felicidade e não apenas recursos materiais. A especialista orienta a avaliar bem o cargo a ser exercido, a oportunidade de crescimento na empresa, a possibilidade de aprendizado, entre tantas outras questões intangíveis. Em muitos momentos, um passo para trás ou para o lado são determinantes para uma jornada de sucesso. Só não vale a pena ficar parado.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/05/2019
Empresa desenvolve algoritmo que seleciona candidatos a emprego

20/05/2019
Falsas ofertas de emprego fazem o Brasil campeão de phishing

02/05/2019
Mais de meio milhão de brasileiros trabalham com TICs

26/04/2019
TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

26/04/2019
Salários em TICs são três vezes maiores que a média nacional

24/04/2019
Embraer usa IA para contratar e abre 40 vagas para TI e cibersegurança

18/04/2019
Empresa de negócios digitais busca profissionais de Mainframe

17/04/2019
Empresa de TI abre 119 vagas

11/04/2019
Plataforma digital abre mais de 200 vagas em São Paulo e Campinas

05/04/2019
Telecine, da Globosat, procura por cientistas de dados

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

Formação de mão de obra, que já sofre para atender a demanda, vai ficar longe dos 70 mil novos empregos por ano. IoT, Big Data e segurança são áreas de maior demanda.

Salários em TICs são três vezes maiores que a média nacional

Em software e serviços, onde estão 75% das vagas das empresas de tecnologia da informação, remuneração média em 2018 foi de R$ 5 mil, contra R$ 1,8 mil do salário médio nacional.

TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

Segundo o presidente da Contic, Edgar Serrano, atualização do marco legal de telecom e a criação do Sistema S das TICs são medidas de transformação digital sem impacto fiscal.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site