GOVERNO » Legislação

Crimes na Web: Câmara torna invasão de dispositivo mais grave que de domicílio

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/08/2018 ... Convergência Digital

A coceira legiferante sobre a internet ganhou mais um motivo de destaque nesta quarta-feira, 8/8, com a aprovação de um substitutivo pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara que torna o crime de invasão de dispositivo informático mais grave do que uma invasão de domicílio. Ou seja, um crime cometido no mundo virtual é mais sério do que se o mesmo delito acontecer no mundo físico, real.

Pois é essa a proposta do substitutivo aprovado pela CCJ ao projeto de lei 3357/15. O texto original da proposição, de autoria do deputado Vicentinho Junior (PSB-TO), tratava somente de criminalizar a prática conhecida como ‘deface’, ou seja, a modificação não autorizada do conteúdo de sítios na internet. E estabelecia para tanto a mesma pena da invasão de dispositivo informático, detenção de três meses a um ano.

Mas o relator na CCJ, Thiago Peixoto (PSD-GO), decidiu inovar na severidade. E imputou tanto à invasão de dispositivo como ao ‘deface’ a pena de reclusão de dois a seis anos. Não é pouca coisa. Caso vá adiante essa proposição, torna a invasão de computador mais grave do que invasão de domicílio, cuja pena é detenção de um a três meses, e mesmo se houver uso de violência, quando a pena passa para detenção de seis meses a dois anos.

Segundo sustentou Peixoto, “a pena atualmente prevista na legislação não está em consonância com a gravidade do crime”, e que “não  atende  ao  princípio  da proporcionalidade penal”. No entanto, o que ele considera proporcional torna a invasão informática mais séria do que vários outros crimes listados no Código Penal, como fraude, receptação, pirataria, invasão de sepultura, falsidade ideológica ou sonegação.


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Pontes faz o primeiro contato com as teles para definir agenda do setor

SindiTelebrasil se reuniu com o ministro Marcos Pontes (MCTIC) e apresentou a agenda que o setor gostaria de ver solucionada pelo novo governo. À mesa estavam a revisão do Marco Regulatório do setor e o recém-aprovado PGMU, com novas metas de universalização.

Vinte e dois anos depois, governo tenta, mais uma vez, criar uma identidade nacional

Mais um Grupo de Trabalho foi montado para fazer o projeto sair do papel. Objetivo é criar uma base digital que unifique documentos diversos como Registro Geral (RG), Cadastro de Pessoa Física (CPF), Carteira Nacional de Habilitação (CNH), Carteira de Trabalho, Título de Eleitor e Certificado de Reservista.

MCTIC quer destravar acordo Telebras/Viasat por banda larga em 100 dias

Em entrevista ao portal do Palácio do Planalto, o ministro Marcos Pontes ambém falou sobre levar robótica para as salas de aula.

Caio Mario de Andrade é o novo presidente do Serpro

Perfil escolhido para a estatal é de um empreendedor da Internet. Vice-presidência ficará com um servidor de carreira, Wilson Biancardi Coury, que estava cedido à Rede Nacional de Pesquisa.

MCTIC quer modelo privado para o financiamento à inovação

“Temos a Finep, mas precisamos de um modelo de parceria com o setor privado”, afirma o novo ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G