INTERNET

Dados Pessoais: fatiamento 'mata' efeito positivo de uma legislação

Por Roberta Prescott* ... 09/08/2018 ... Convergência Digital

Os possíveis vetos do presidente da República, Michel Temer, ao texto aprovado no Senado e na Câmara do PLC 53/2018, que dispõe sobre a proteção de dados pessoais, gerou apreensão dos integrantes do painel que debateu os modelos regulatórios para a aplicação e fiscalização de leis de proteção de dados pessoais no painel no IX Seminário de Proteção à Privacidade e aos Dados Pessoais. O tom da maioria dos debatedores foi pela aprovação da lei tal qual foi aprovado no Congresso Nacional.

Presidente da mesa, Flávia Lefèvre, representando o CGI.br, disse que espera uma aprovação sem vetos. “Esperamos que o Temer possa reconhecer o grande consenso que se formou em torno deste tema. Agora vamos saber, dentro de pouco dias, se brasileiros vão estar como outros cidadãos do mundo, tendo a nossa privacidade, dados pessoais e autonomia protegidos no que diz respeito a tratamento dos dados. Isto vai colocar o Brasil em outro patamar”, destacou. “Temos uma batalha pela frente que é a integralidade da lei na sanção, porque foram oito anos debatendo até aqui. Não é um projeto que agradou a todos; houve concessão; ele não é perfeito, mas é ideal. Me preocupa que haja fatiamento que prejudique o projeto”, ressaltou Andriei Gutierrez, da IBM Brasil.

Falando da perspectiva do setor privado, Ana Paula Bialer, representando a Brasscom, mostrou preocupação com um eventual fatiamento da lei. “Temos defendido a sanção integral. Nos preocupa a discussão em torno da autoridade, porque a lei está estruturada para ter autoridade para ter padronização no entendimento e na aplicação da lei. Não se pode pulverizar a aplicação da lei, com aplicações diferentes por setor”, enfatizou.

No entanto, é justamente a questão da autoria que corre mais risco. Como já disse publicamente algumas vezes, Thiago Camargo, secretário de política de informática do MCTIC, voltou a defender o veto da criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). “É por questão de inconstitucionalidade e por questões de mérito. Defendemos que a criação de autoridade seja imediata e por Medida Provisória para aproveitar a janela de oportunidade de 18 meses para entender os impactos que a lei possa a ter”, justificou.

Sem dar detalhes, o secretário disse que o Ministério da Fazenda encaminhou parecer do PLC de 152 páginas. “Não sei o que tem, mas [o volume] me preocupa. Na ‘reunião do fim do mundo’, com diversos ministérios, falavam em [solicitar] 40 vetos”, disse, completando que o que é mais falado é a ANPD. Por sua vez, o presidente do Centre for Information Policy Leadership, Bojana Bellamy, defendeu por diversas vezes a criação da ANPD como sendo um instrumento fundamental para a aplicação da lei.

“Não vejo a autoridade como um problema, elas operam dentro da lei e o poder não é arbitrário”, afirmou. Uma das críticas que foi feita à ANPD, ao longo dos debates, refere-se à aplicação de multas. Bellamy explicou que, sim, é necessário percorrer um longo caminho e amadurecimento para o entendimento acerca das multas e aplicação das mesmas. De opinião semelhante, Bruno Gencarelli, líder da unidade de proteção e fluxo internacional de dados na Comissão Europeia, destacou a necessidade de as multas serem aplicadas com base em evidências.

Vinicius Marques de Carvalho, professor da USP e ex-CADE, disse acreditar que a ANPD deveria ter um modelo mais parecido com o CADE e a CVM do que com as agências reguladoras existentes atualmente. “A lei cria a autoridade com modelo baseado em conselho consultivo por pessoas que vão fornecer diretrizes e também sociedade civil; seria um modelo de autarquia em regime especial. Este modelo tem várias dimensões positivas, como autonomia. É importante que a autonomia preserve a capacidade de ter legitimidade e referência”, disse.

 Ao comentar quais vantagens o Brasil tem por ser um dos últimos países de seu porte a passar uma lei de proteção de dados, Bellamy chamou a atenção para a possibilidade de o País buscar as melhores praticas e adaptá-las às suas necessidades. “A lei traz os princípios básicos e não entra em detalhes. Ela diz os objetivos a serem alcançados e não o que fazer para obtê-los. As leis de privacidade têm a ver com garantir que os dados fluam para a sociedade e sejam usados com responsabilidade. Estar em conformidade com a lei deveria não apenas ser legal como fazer bem ao negócio”, disse.  

Thiago Camargo, da Sepod, também se mostrou contra a possibilidade de ter auditoria em banco de dados sem ordem judicial. “Acho que governo não poderia fazer isto, não acho saudável ter uma autorização desta”, disse. Além disto, questionou o fato de a lei dar obrigações ao governo, mas não exigir prestação de contas (accountability).

A lei possível

Da perspectiva do setor privado, as companhias têm se mostrado a favor da lei por ela trazer segurança jurídica para coleta e tratamento de dados. Ana Paula Bialer, da Brasscom, lembrou que a lei se faz ainda mais necessária diante de uma economia baseada em dados e na qual se precisa tratar dados para inovar. “Existia uma percepção de insegurança jurídica para fazer investimentos e desenvolvimento de novos negócios no Brasil. Vimos com bons olhos a aprovação da lei no Congresso, porque ela está bastante balanceada”, disse, explicando que, ao mesmo tempo em que protege os cidadãos, ela não restringe a inovação e modelos de negócios.

Na mesma linha, Andriei Gutierrez, da IBM Brasil, afirmou que, ao se construir uma nova sociedade digital, é importante ter confiança nos pilares que vão fundamentar este novo cenário, tanto para as empresas quanto para governo e os cidadãos têm de ter confiança em fornecer seus dados. Os dois pontos que mais o preocupam são a integralidade da lei e quais serão as condições da aplicação da lei. “O principal ponto de referência que temos que ter é o debate democrático, cobrar do poder executivo de que a decisão passe por um debate democrático.”

O Intervozes também está em campanha para a aprovação sem vetos da lei. “A lei não foi ideal, mas entendemos que foi a lei possível e agora estamos numa campanha que é sanciona sem veto, Temer. Temos também um desafio de explicar melhor para as pessoas o impacto da lei”, disse Bia Barbosa, coordenadora do coletivo.


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G