INTERNET

Autoridade de Dados tem de ser interministerial e sem 'donos políticos'

Ana Paula Lobo ... 17/08/2018 ... Convergência Digital

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados - vetada pelo presidente Michel Temer na aprovação da Lei Geral de Dados Pessoais, no dia 14/08, com a promessa de retoma-lá  em um novo projeto de Lei - tem de ser interministerial e não pode ter 'donos' políticos, como acontece, hoje, com as agências reguladoras em funcionamento, sinaliza Alexandre Zavaglia Coelho, diretor-executivo do Instituto de Direito Público de São Paulo.

Segundo ele, sem a Autoridade Nacional, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais fica inócua e, perigosamente com brechas para interpretações equivocadas. "Não se trata apenas de pensar na coleta, mas no tratamento de dados. Essa legislação está ligada à digitalização de todos os setores produtivos do país. Os dados são o combustível da era digital e precisam ser tratados com transparência", acrescenta Zavaglia Coelho, em entrevista ao portal Convergência Digital.

Para o especialista, a Autoridade Nacional é essencial para garantir a execução da legislação e precisa ser tratada o quanto antes. "Uma das atividades da Autoridade é fazer uma fiscalização preventiva nas empresas sobre como elas tratam seus dados. A quantidade de companhias que geram dados é enorme. quem fará essa fiscalização e a avaliação do que foi encontrado? Tem de ter a Agência antes mesmo do cumprimento dos 18 meses para o cumprimento da lei. Mas essa agência não pode e não deve ser 'repartida' por interferência política. Insisto: tem de olhar o futuro e não o passado", ressalta.

Um ponto importante, destaca ainda Zavaglia, é que o Governo não é o 'dono' do tema. "A sociedade civil e as empresas têm grande responsabilidade. Não haverá empresas que se sustentem sem uma política transparente de uso de dados. Os recentes vazamentos mostraram isso. E cada vez mais vamos ter esse tipo de problema. Nós, no direito, estamos chamando essa prática de sustentabilidade digital. Com a proliferação de aplicativos, o consumidor vai trocar de provedor de serviço de forma muito mais rápida se tiver um dado vazado", reforça.

Deixar a adaptação para a última hora - uma tradição no Brasil - pode custar muito caro ao bolso e ao próprio negócio, afirma ainda Zavaglia. Ele lembra que na Europa, por conta da GDPR, a expectativa é que pelo menos 100 mil novos empregos sejam gerados, sendo 10 mil para profissionais de Direito. No Brasil, ressalta o especialista, é complicado fazer uma projeção, mas também há a certeza que novas oportunidades vão surgir, principalmente, para quem trabalhar com ciência de dados. "Não tenho dúvida que o cientista de dados vai ganhar nova roupagem", completa Zavaglia. O especialista ministrará um curso - Ciência de Dados Aplicada ao Direito - no Futurelaw sobre o tema.



Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

O game tinha o então candidato à presidência, Jair Bolsonaro. O personagem ganhava pontos ao espancar e matar mulheres, negros, parlamentares e integrantes de movimentos sociais e da comunidade LGBT.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G