SEGURANÇA

Invadir um PC vai dar mais tempo de cadeia do que um homicídio culposo

Ana Paula Lobo* ... 24/08/2018 ... Convergência Digital

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou uma proposta que altera o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) para criminalizar o ato de invadir, sem autorização, sistemas de informática, modificando o conteúdo de sites da internet. O projeto, que ainda será analisado pelo Plenário da Câmara, ganhou o apoio de especialistas no assunto.O texto aprovado pela CCJ foi o substitutivo do deputado Thiago Peixoto (PSD-GO) ao Projeto de Lei (PL) 3357/15, do deputado Vicentinho Júnior (PR-TO). O substitutivo aumentou as penas previstas e a pena para o crime de invasão de dispositivo eletrônico, que, de acordo com o projeto passará a ser de dois a seis anos de reclusão, em vez de três meses a um ano de detenção.

Para a criminalista Anna Julia Menezes, do escritório Vilela, Silva Gomes & Miranda Advogados, a mudança sugerida é acertada. "Cada vez mais se vê a força das informações veiculadas na internet. O potencial de dano não é somente patrimonial, também pode resultar em afronta à honra do ofendido. A intimidação causada pelas publicações, sejam em sítios eletrônicos ou outro, é capaz de atingir o psicológico do indivíduo, causando-lhe, em muitos casos, lesão muito mais gravosa àquela praticada com o simples intuito de obter vantagem financeira ilícita. Nesta época de véspera de eleições torna-se mais clara a força da internet e das notícias nela transmitidas. A preocupação com as modificações de conteúdos por hackers é real e encontra fundamento no mundo atual".

Já a especialista em propriedade intelectual, Ivana Có Galdino Crivelli, sócia do Có Crivelli Advogados, vai um pouco além e lembra que, de acordo com a lei penal brasileira, não é crime a invasão de dispositivos informáticos, exceto se comprovado que há vantagem ilícita. "Fala-se em invasão indevida, como se pudesse haver uma invasão devida. A etimologia da palavra invasão é, por si, um norte claro e seguro. Trata-se de um ato abusivo, desautorizado, portanto, indevido. Qualquer tipo de invasão viola o direito de privacidade, há a ruptura do sigilo de informações (dados pessoais e profissionais) e da confidencialidade de documentos", destaca.

Ivana ressalta que a redação do artigo 154-A da Lei dos Crimes Cibernéticos (Lei 12.737/12) prejudica a eficiência e efetividade da norma penal quando ainda exige a comprovação de vantagem ilícita da invasão de sistemas. "A violação de sistemas informáticos não deveria ser tolerada pelo direito penal. Logo, o aperfeiçoamento da lei penal é necessário, porém, ainda, observa-se uma proposta insatisfatória, pois, novamente, a norma é restritiva, agora para aqueles que violam o conteúdo de um site. Acessar a vulnerabilidade de sistemas deveria ser criminalizado, como medida a configurar a necessária segurança da sociedade, formadas por usuários e proprietários de sistemas. O aumento da pena é outra medida indispensável para que a norma penal realmente alcance eficácia e efetividade. Todo o resto é hipocrisia legislativa", afirma.

O criminalista José Roberto Coêlho Akutsu, sócio do escritório Andre Kehdi & Renato Vieira Advogados, também apoia as mudanças, mas lembra o texto final da lei 12.737/2012, que estabeleceu que as penas ali previstas seriam aplicadas apenas caso a invasão de sistema de informática tivesse como finalidade a obtenção de vantagem ilícita. "Agora, 6 anos após a entrada em vigor da referida lei, o Congresso Nacional aprovou texto que criminaliza as condutas, independentemente de vantagem ilícita eventualmente obtida com a invasão sem autorização e apontou algumas causas de aumento de pena. Embora, aos meus olhos, de fato a conduta deva ser criminalizada (melhor seria que isso já tivesse sido abarcado quando da Lei 12737/12), é possível perceber que outra vez o legislador brasileiro dá pouca atenção aos preceitos secundários da norma incriminadora: as penas".

O  especialista destaca ainda que "sob o ponto de vista sistêmico, a pena aprovada para o referido delito (de 2 a 6 anos de reclusão) é o dobro daquela imposta ao homicídio culposo (de 1 a 3 anos de reclusão) e oito vezes maior que a mínima prevista para um crime de lesão corporal (três meses a um ano de detenção). Por um lado, a norma é positiva porque criminaliza conduta que estava à margem da lei; por outro, outra vez mais a lei brasileira é incoerente nas penas que prevê em determinados delitos", concluiu.

*Com informações da Exclusiva Assessoria


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
CredDefense economiza R$ 1 bilhão com reconhecimento facial

Plataforma brasileira de detecção de fraude, que reúne informações de mais de 130 empresas, implementou as soluções de reconhecimento facial da NEC para mapear as características faciais do consumidor, com a análise de foto de documento quando ele faz um cartão de loja. Redução nas fraudes superou a casa dos 90%.

MPDF abre investigação sobre vazamento de 2 milhões de dados de clientes da C&A

Segundo o Ministério Público do Distrito Federal, a própria empresa admitiu ter sido alvo de um ciberataque no Brasil. Entre as informações vazadas estariam o número do CPF, e-mail, valor adquirido e outros.

Gastos globais com segurança vão crescer 12,4% em 2018

Questões relacionadas à privacidade puxam investimentos, que vão passar de R$ 450 bilhões.

Os robôs já chegaram ao centro de operações de Segurança

Mas eles nunca vão substituir os homens na resposta aos incidentes, mesmo com o uso de certas técnicas de inteligência artificial. "Há um exagero muito grande com o uso dessa tecnologia", adverte o vice-presidente de pesquisas do Gartner, Augusto Barros.

Governo lidera e 40% dos sites brasileiros não são seguros

Levantamento feito pela BigData Corp, a pedido da Serasa, indica que pelo menos 7,2 milhões de endereços não possuem certificado de criptografia SSL. Percentual é alto mesmo em sites que fazem transações financeiras.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G