GESTÃO

Empresas atrasam e governo muda cronograma do eSocial

Luís Osvaldo Grossmann ... 31/08/2018 ... Convergência Digital

O governo vai anunciar nos próximos dias uma mudança mais profunda no cronograma de implantação do eSocial, o novo sistema de informações trabalhistas e previdenciárias. Nesta sexta, 31/8, já foi avisada a prorrogação, por 40 dias, do envio de dados da fase 2 para empresas com faturamento inferior a R$ 78 milhões. Foi uma medida emergencial, mas que deixou evidente a necessidade de correção das data até aqui previstas.

A principal preocupação é que uma grande parte das empresas ainda está com dificuldades de alimentar o sistema do eSocial. O problema é um pouco menos grave para as grandes, aquelas que faturam mais de R$ 78 milhões por ano, porque das cerca de 13 mil existentes, cerca de 8 mil já conseguem enviar as informações. Mas entre as demais, somente cerca de 1 milhão, das 3 milhões com essa obrigação, teve sucesso em encaminhar os dados mais simples, da primeira fase.

Com a decisão já anunciada nesta sexta-feira, o prazo da fase 1 das empresas menores, que envolvia apenas os dados mais básicos de empregados e empregadores, mudou para 10/10. Agora, os órgãos envolvidos vão discutir um ajuste que, torcem, será definitivo. “Vamos aproveitar esse momento e ao longo dos próximos 15 dias definir um novo cronograma, provavelmente esticando mais um mês para cada fase. Vamos devagar porque temos pressa, não podemos errar”, diz o coordenador do eSocial, José Maia.

No caso das empresas maiores (+R$ 78 mi por ano), a fase mais “difícil” teve prazo encerrado na segunda, 27/8. Nessa data deveriam ser inseridos no eSocial todas as informações relativas às folhas de pagamento. É a partir desses dados que a Receita Federal vai emitir a nova forma de recolhimento da contribuição previdenciária, por meio de um sistema batizado de DCTFWeb, acrônimo para Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais Previdenciários e de Outras Entidades e Fundos.

Como visto, somente 8 mil das 13 mil empresas maiores teve sucesso em já enviar esses dados e, assim, poderá se valer desse sistema para o recolhimento, cujo prazo é o dia 15 de cada mês (será 14 em setembro porque 15 cai num sábado). O plano é que a contribuição previdenciária só possa ser paga por meio do DCTFWeb, mas diante do fato concreto de que nem todas empresas conseguiram alimentar o eSocial com as informações necessárias, haverá, pelo menos neste mês, uma alternativa para pagamento via DARF, a ser melhor definido pela Receita Federal.

No caso das empresas menores (faturamento menor que R$ 78 mi), a decisão foi por já empurrar o prazo que vencia agora para 10/10 exatamente pela baixa adesão, pois até aqui apenas um terço conseguiu inserir os primeiros dados no eSocial. Vale lembrar que para microempreendedores individuais e para as pequenas e micro empresas as datas já tinham sido flexibilizadas para envio em 1o de novembro. Mas a revisão do cronograma deve mexer novamente com todas elas. Nesse caso, MEIs e PMEs provavelmente terão o prazo empurrado para janeiro de 2019.


eSocial: Nova versão 2.5 do leiaute entra em operação em dezembro

Segundo o Comitê Gestor do novo regime, a nova versão incorpora as notas técnicas de 01 a 09, além de outras melhorias. Ela passa a valer no ambiente de testes a partir de 17 de dezembro e no ambiente de produção a partir de 21 de janeiro de 2019.

eSocial: Fase 2 exige atenção pelo conjunto de eventos

A implementação do eSocial foi dividida em fases e as empresas precisam ficar atentas. Entenda os prazos estabelecidos.

eSocial: Código de Acesso, sem certificação digital, possui validade de três anos

Após esse período, o Código gerado expira e o empregador será convidado a criar um novo. Será necessário informar novamente os números de recibos de entrega da DIRPF ou do Título de Eleitor. Quem usar certificado digital não vai precisar passar por esse processo.

eSocial: Iniciada a 2ª fase para empresas com faturamento até R$ 78 milhões

Essa etapa envolve o envio de dados dos trabalhadores e seus vínculos empregatícios até 9 de janeiro de 2019.

Governo não flexibiliza e mais de 700 mil empresas podem ser excluídas do Simples

A não regularização dos débitos poderá acarretar a exclusão do regime a partir de janeiro de 2019, mas não há facilidades - como houve o REFIS para as grandes empresas - para a quitação da dívida.




  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G