INOVAÇÃO

Empresa de meio de pagamento autentica transação sem a intervenção do cliente

Da redação ... 10/09/2018 ... Convergência Digital

O Brasil já está usando a solução 3D Secure (3DS) 2.0, que será diretamente disponibilizada para seus clientes e como oferta independente para estabelecimentos comerciais que precisam de uma solução de autenticação de última geração. O lançamento global aconteceu na semana passada e é baseada nos protocolos 3DS 2.0 da EMVCo, e auxilia os estabelecimentos comerciais a reduzir riscos e proteger seus clientes contra fraudes de pagamentos, com uma melhor experiência para os consumidores. Ela também corrige pontos de deficiência do 3DS 1.0, melhorando a experiência de pagamentos para os clientes, ao permitir um fluxo de pagamentos contínuo, sem barreiras, especialmente no celular.

O 3DS 2.0 da Adyen é a primeira solução disponível capaz de autenticar uma transação de forma imperceptível e sem a intervenção do cliente. Isso cria uma experiência de pagamentos contínua e fluida, diminuindo o abandono de carrinhos e aumentando as taxas de conversão. Isso é possível por meio do SDK, certificado da Adyen, combinado com APIs de compartilhamento de dados, que permitem a análise de mais de 100 pontos de informação diferentes compartilhados entre bancos emissores e dados da rede global de pagamentos da Adyen.

Ele também cria uma experiência aprimorada do cliente para transações que demandam autenticação - que pode ser realizada nas modalidades de "dois fatores" com o envio de um código de autenticação via sms, por exemplo, ou tambem por dados biométricos, como reconhecimento de impressões digitais, reconhecimento de voz e facial. A solução da Adyen pode ser implementada facilmente em dispositivos móveis, algo que as interações anteriores do 3D Secure 1.0 não conseguiam alcançar.

A solução 3DS 2.0 da Adyen determina automaticamente os requisitos de conformidade para cada transação. Isso garante que os comerciantes não precisem acompanhar requisitos regulatórios complexos e permite que os comerciantes globais aceitem transações originárias de qualquer lugar do mundo.

A novidade já é aplicável para o mercado brasileiro, cujas regras de bandeira preveem autenticação em transações online. "Essa autenticação era conhecida por travar o processo de compra e afastar consumidores, porém com a fluidez e a facilidade permitidas pelo 3DS 2.0, que permite a autenticação ser realizada no background ou de forma mais fluida, esse cenário tende a mudar", afirma Jean Christian Mies, Presidente da Adyen para a América Latina.

"Intensificar o bloqueio de transações suspeitas para diminuir o chargeback não é uma tarefa simples e pode impactar as vendas do estabelecimento comercial. Os consumidores legítimos podem se sentir incomodados por longos e complexos processos de autenticação. Por isso, investimos em uma solução que descomplica a autenticação para tornar o processo de compra imperceptível e ao mesmo tempo bloquear as fraudes para os varejistas, aumentando suas taxas de autorização", conclui Mies.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Fintechs incubadas pelo BC já encontram negócios no sistema financeiro

Projetos selecionados pelo Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas já estão em uso em instituições como Bradesco e há negociações com outras instituições.

FICO leva IA e machine learning para além da indústria financeira

Verticais como varejo, manufatura e telecomunicações já são usuárias da solução,revela o vice-presidente e diretor-geral da FICO para América Latina e Caribe, Alexandre Graff.

Seguradora HDI trabalha legado para pavimentar transformação digital

Seguradora instituiu um plano de jornada, com quatro anos de duração, para se adaptar à uma nova era digital, afirma a CIO da HDI, Denise Ciavatta.

Brasil fica longe da Inovação e acumula mais de 225 mil pedidos de patentes

Estudo produzido pela Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI) adverte que o País só despenca no ranking global de inovação e, neste momento, ocupa a última posição. Governo e empresas privadas investem pouco e não assumem os riscos inerentes à Inovação.

Ministério da Economia quer privatizar o financiamento à inovação

Além das empresas estatais de TICs como Serpro, Dataprev, Telebras e Ceitec, lista da secretaria de desestatizações , comandada por Salim Mattar, inclui a Finep, agência de fomento do MCTIC, e o próprio BNDES.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G