TELECOM

GSMA: Parceria em conteúdo é melhor para teles que produção própria

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/09/2018 ... Convergência Digital

As operadoras de telecomunicações costumam repetir que não querem ser somente um ‘tubo burro’, senha para defender investimentos na oferta de conteúdos como forma de competir com as apelidadas OTTs, como Netflix, Amazon, etc. Mas o novo estudo da GSMA toca nesse nervo para sustentar que essa não é exatamente uma estratégia brilhante. Melhor apostar em parcerias e licenciamentos do que tentar mergulhar no universo da produção própria.

“Conteúdo é caro”, ressalta o novo relatório sobre ‘Tendências Móveis Globais’, divulgado pela Associação. A Netflix gastou US$ 6,3 bilhões em programação original em 2017, não ficando muito atrás da Time Warner (US$ 8 bilhões), da Fox (US$ 8 bilhões) e da Disney (US$ 7,8 bilhões)”, lista o documento, chamando a atenção para o peso desses investimentos.

Como destaca, ainda tomando o exemplo da Netflix, o estudo lembra que a empresa continua sendo a grande influência para o consumo de conteúdo via streaming online, e que esse tipo de serviço segue mordendo nacos da televisão tradicional. Mas faz um alerta às teles móveis: os custos envolvidos são gigantescos.

“Para a maioria das operadoras, essa tendência significa que fazer parcerias ou licenciamento de conteúdo representa um panorama mais realista do que adquirir ou criar conteúdo em um mercado dispendioso”, sustenta expressamente o relatório da GSMA.

O documento lista quanto investiram no ano de 2017 as maiores empresas de mídia dos Estados Unidos – além das cifras já mencionadas, vale lembrar os US$ 10,2 bilhões aportados pela NBC Universal, os US$ 5,4 bilhões da Viacom, US$ 4,5 bilhões da Amazon ou US$ 2,5 bilhões da Hulu.

O que a GSMA não menciona é que enquanto as receitas globais das operadoras móveis bateram em US$ 1 trilhão no ano passado, as maiores empresas mundiais de produção de conteúdo juntas não alcançaram receitas maiores do que US$ 190 bilhões.


Revista do 62º Painel Telebrasil 2018
Veja a revista do 62º Painel Telebrasil 2018 Brasil Digital: O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018.
Edição, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.
Clique aqui para ver outras edições

Celulares terão que indicar taxa de radiação emitida

Ao revisar o regulamento que trata da exposição eletromagnética, Anatel prevê 120 dias para que os equipamentos vendidos tragam a informação nas caixas ou manuais.

Bloqueio de celular pirata será estendido a mais 10 estados

A partir de domingo, 23/9, quem tiver aparelho sem IMEI válido vai começar a receber mensagens de que o celular será bloqueado a partir de dezembro. Ativo em Goiás e no Distrito Federal desde fevereiro, sistema bloqueou cerca de 41 mil aparelhos.

TV paga: pirataria tem mais 'assinantes' que a Netflix no Brasil

Consultoria Business Bureau diz que a OTT possui 18% do mercado de assinatura de streaming de vídeo. A Globo Play fica na segunda posição, mas com apenas 4%. Pirataria no Brasil fica bem acima da média da América Latina.

Justiça mantém Pharol e Nelson Tanure fora da Oi até aporte de capital

Juiz Fernando Viana, da 7ªVara Empresarial do Rio de Janeiro, manteve a suspensão dos direitos políticos dos conselheiros e diretores da Oi ligados aos grupos.



Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G