Home - Convergência Digital

No Brasil, mais de 60% usam smartphone próprio para fins profissionais

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 19/10/2018

Não há exagero em dizer que o brasileiro adora celular. Ele é, de longe, o dispositivo móvel ao qual o brasileiro tem mais acesso. É o que aponta a edição deste ano da pesquisa Global Mobile Consumer Survey, da Deloitte, ao consultar 2 mil pessoas no país. O levantamento mapeia anualmente os hábitos, as expectativas e as oportunidades para o setor de telefonia móvel em diversos países, como Alemanha, Bélgica, Argentina, Estados Unidos e Japão, além, é claro, do Brasil.

"De acordo com dados do IBGE-PNAD, no país, o celular já é o equipamento mais utilizado para acesso à internet (95%), tomando a frente do computador (64%). Portanto, falar de telefonia móvel no Brasil é falar de um país continental e regulamentado repleto de oportunidades e com um povo apaixonado pela conectividade, como poderá ser visto nos expressivos – e por vezes curiosos – dados que trazemos neste relatório", ressalta Marcia Ogawa, sócia-líder da indústria de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte.

Por mais um ano, o acesso ao smartphone segue crescendo no Brasil. O dispositivo é o que mais os brasileiros entrevistados tiveram acesso (92%), com larga distância do notebook (70%), que ficou em segundo lugar. Outro dado interessante é que, no ano anterior, o índice de pessoas com acesso ao smartphone era de 87% - um aumento de 5% em apenas um ano. Por sua vez, o desktop surpreende e é o equipamento que apresenta maior crescimento.

Para cada gênero e idade

Outros resultados da pesquisa mostram algumas diferenças de comportamento entre homens, mulheres e jovens. Por exemplo: em geral, a aderência de homens e mulheres aos equipamentos é igual – o destaque é um ligeiro aumento na utilização frequente de fitness band por homens (61%) em relação às mulheres (51%). Entre os jovens de 18 a 24 anos, a aderência ao e-reader é maior (45%) do que entre a faixa etária de 45 a 55 anos (26%).

As mulheres (83%) são um pouco mais engajadas no uso do WhatsApp do que os homens (76%). E os aplicativos de namoro, por sua vez, são usados com mais frequência pelos homens (10%) do que pelas mulheres (5%). Ainda, quanto menor a faixa etária, maior será a propensão a usar um smartphone para assistir a vídeos de posts ou de histórias em tempo real.

Quando perguntados se assistiram vídeos de posts/histórias em tempo real pelo smartphone nas últimas 24 horas, entre aqueles que se encontram na faixa etária de 18 a 24 anos o índice chegou a 67%, enquanto que, para o mesmo período, o índice entre os respondentes de 45 a 55 anos, ficou em 46%. A maior parcela dos entrevistados (28%) doou seu celular antigo para um amigo ou familiar quando adquiriu um aparelho novo. As outras atitudes foram guardar (18%) e vender para um familiar ou amigo (12%).

Biometria ganha espaço para acesso ao celular

Embora a utilização de PIN e senha ainda sejam o modelo de autenticação mais utilizado (61%), o reconhecimento por impressão digital cresceu fortemente, de 15% na amostra de 2017 para 35% entre os respondentes de 2018. Outras formas de biometria – como reconhecimento de voz, facial e ocular – também registraram aumento no período. E os jovens tendem utilizar mais a biometria por impressão digital – uma combinação de busca por praticidade ao maior acesso a smartphones com esta tecnologia.

Smartphone como ferramenta de trabalho

Mais de 60% dos entrevistados do Brasil já utilizam o smartphone para fins profissionais fora do horário normal de trabalho com alguma ou muita frequência. É possível identificar um crescimento da utilização muito frequente do smartphone – tanto no ambiente de trabalho como fora dele – em relação à pesquisa de 2016. Como resultado, a distração com o smartphone durante o horário de trabalho ocorre com alguma ou muita frequência para 43% dos respondentes. Como ferramenta de trabalho, o smartphone é mais utilizado para o envio e o recebimento de e-mails (62%) e mensagens instantâneas para colegas ou clientes (60%).

O inverso também ocorre: 76% indicaram usar muito frequentemente ou frequentemente o smartphone para fins pessoais durante o horário de trabalho, o que também corrobora o dado de que mais de um terço dos entrevistados sente a necessidade de conferir constantemente o telefone, enquanto 30% responderam que não conseguem dormir no horário pretendido ou se distraem com o smartphone ao concluir uma tarefa.

Além do Brasil, a Global Mobile Consumer Survey 2018 foi realizada concomitantemente em outros 21 países: Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, China, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, Holanda, Irlanda, Itália, Japão, Luxemburgo, México, Noruega, Reino Unido, Rússia, Suécia e Turquia. Para apurar os resultados sobre hábitos de consumo de tecnologias móveis, a Deloitte consultou, por meio de questionários eletrônicos, mais de 40 mil pessoas, de 18 a 55 anos, das quais 2 mil do Brasil.


Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/04/2019
Crise econômica e alta nos preços travam a venda de smartphones no Brasil

26/02/2019
Maioria descarta ficar um único dia sem celular

11/02/2019
Guerra comercial entre EUA e China derruba Apple

14/01/2019
Dólar valorizado travou a venda de smartphones no Brasil

09/11/2018
Huawei supera Apple e se sustenta na 2ª posição do mercado de smartphones

25/10/2018
Samsung processa ‘embaixadora’ da marca por usar iPhone em público

19/10/2018
No Brasil, mais de 60% usam smartphone próprio para fins profissionais

20/09/2018
Simulador de incidentes para smartphones vence Hackathon para Indústria 4.0

18/09/2018
Brasil vende menos celulares no primeiro semestre

13/09/2018
Smartphones serão principal instrumento para compras online

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

Decisão aconteceu em uma ação de uma atendente contratada pela Contax, prestadora de serviços de call center, para atuar como terceirizada na Telemar Norte Leste.

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Estudo da Brands2Life, com o LinkedIn, traz um dado assustador: 80% dos brasileiros não se candidata para a vaga de trabalho que gostaria. Cerca de um terço dos profissionais deixa de se candidatar a uma nova vaga por falta de confiança na sua própria capacidade.

Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

Também foi incluída na lista divulgada pelo governo Federal o serviço de teleatendimento. Decisão está publicada na portaria 443/2018.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site