INTERNET

TSE não age e WhatsApp notifica empresas por spam ilegal pró-Bolsonaro

Convergência Digital ... 19/10/2018 ... Convergência Digital

O WhatsApp decidiu nesta sexta-feira, 19/10, notificar agências que oferecem esse tipo de serviço.  A ação acontece depois de uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo revelar que empresas estão pagando pacotes de até R$ 12 milhões para a disseminação em massa de mensagens contra o Partido dos Trabalhadores para beneficiar o candidato do PSL à presidência, Jair Bolsonaro,

Segundo o aplicativo de mensagens, foram enviadas notificações extrajudiciais para as agências Quickmobile, Yacows, Croc services e SMS Market determinando que parem de fazer envio de mensagens em massa e de utilizar números de celulares obtidos pela internet, que as empresas usavam para aumentar o alcance dos grupos na rede social.

O Whatsapp também baniu as contas associadas a essas agências. Pelo Twitter, o senador eleito Flávio Bolsonaro, filho do candidato do PSL, afirmou que sua conta no aplicativo foi “banido do nada”. A empresa respondeu que a medida foi anterior à reportagem e foi causada por “comportamento de spam”.

Embora o assunto envolva a disseminação de informações falsas sobre o PT e o candidato Fernando Haddad, adversário de Bolsonaro na corrida presidencial, o Tribunal Superior Eleitoral, que fez alarde ao criar uma força-tarefa contra ‘fake news’, até agora não se pronunciou sobre o assunto. O TSE marcou, porém, uma entrevista coletiva para o domingo, 21/10.

Há pelo menos três ações já em curso, do PT e do PSOL, motivadas a partir da denúncia da Folha de S. Paulo. Pela legislação eleitoral em vigor, está proibido o financiamento eleitoral por pessoas jurídicas e o impulsionamento de conteúdo em redes sociais. Por isso, a compra do disparo de mensagens é comparado ao uso de Caixa 2 em prol da campanha de Jair Bolsonaro.

Em setembro, o TSE multou o empresário Luciano Hang em R$ 10 mil por contratação de patrocínio citando favoravelmente a Jair Bolsonaro. Ele é dono das lojas Havan e também já foi notificado por suposta pressão aos funcionários para que votem no candidato do PSL sob risco de demissão. Segundo a Folha, a Havan é uma das empresas que contrata o disparo via Whatsapp.

Enquanto o PT de Fernando Haddad pede que Bolsonaro perca os direitos políticos por crime eleitoral, o deputado federal e capitão reformado alega ter conhecimento de que a prática é ilegal, mas sustenta que não tem controle sobre as ações de empresários simpáticos à sua candidatura.


Vispe Capital e BEX se unem por investimento estrangeiro para ISPs

Para Droander Martins, CEO da Vispe Capital, a consolidação é um caminho inevitável, uma vez que muitos provedores estão sem acesso a recursos financeiros para expandir suas redes e negócios.

Dados de 2,4 milhões de brasileiros no SUS teriam vazados. Governo nega

Hacker teria encontrado brecha para divulgar informações do CadSUS, que é o Sistema de Cadastramento de usuários do Sistema Único de Saúde brasileiro (SUS). Ministério da Saúde descarta vazamento, mas encaminhou denúncia à Polícia Federal.

Sérgio Moro cria conta no twitter para “explicar propostas” da Justiça

“Quero explicar aqui o projeto de lei anticrime, além das medidas executivas em andamento do Ministério”, tuitou o ministro, ressaltando que “este twitter é meu mesmo”.

Provedores SCM encostam na Vivo na banda larga fixa

As PPPs fecharam fevereiro com 24,46% do mercado nacional, ou 7,65 milhões de contratos ativos. A Claro segue na liderança com 30,03% do mercado.

2018 foi o ano de consolidação de FTTH na América Latina

Mas para que o uso da fibra óptica continue crescendo serão necessárias ações regulatórias de fomento à banda larga, novas arquiteturas e o uso de novas tecnologias de FTTH, observou o presidente da Fiber Broadband Association, Eduardo Jedruch.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G