Convergência Digital

Para a NEC, telecom terá que fundir serviços com TI e inteligência artificial

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa - 22/10/2018

O caminho natural para as operadoras de telecomunicações, especialmente com a efetiva implantação da Internet das Coisas e a chegada do 5G, é a fusão dos serviços tradicionais de rede com camadas de inteligência para a oferta de novas aplicações e agregação de valor. Ou seja, a combinação de telecom com TI e inteligência artificial.

“A NEC vê o futuro como uma fusão entre os serviços legados de telecom e TI, IoT, IA e mais inteligência sobre a infraestrutura. Os provedores de redes serão capazes de fornecer serviços mais diversos e de valor adicionado com o uso de novas tecnologias, e tudo se relaciona com maior inteligência, aprofundando a experiência do usuário e ampliando a segurança”, afirmou a gerente geral de Vendas da empresa japonesa de tecnologia, Mayuko Tatewaki.

Segundo ela, novas aplicações já estão disponíveis e combinam IA para ofertas sob medida a diferentes setores. “Por exemplo, ao trabalhar com o setor público, pode ser muito importante ampliar a segurança com o uso da inteligência artificial. Para o setor comercial, como operações de varejo, a IA pode ajudar em uma experiência de compras melhor para o consumidor. Não importa qual a vertical, a IA vai ter um papel muito importante.”

“Um dos exemplos que demonstramos no Futurecom foi o reconhecimento facial, que identifica o rosto de uma pessoa com uma das mais rápidas e precisas tecnologias do mundo. Ela pode ser usada para identificar indivíduos em uma área grande e movimentada ou em uma área fechada também.”

Ela explicou que o Brasil já teve contato com a tecnologia para segurança de aeroportos durante as Olimpíadas. E agora chega a nova vertente comercial. “Também estamos aplicando em outros setores, como o financeiro. Se você está fazendo um pagamento por telefone móvel, podemos usar essa tecnologia de reconhecimento facial para garantir que quem está fazendo o pagamento é você mesmo.”

“A NEC tem tradicionalmente fornecido equipamentos ou softwares para redes de telecomunicações e isso ainda é muito importante para nós. Mas com o caráter único da empresa, envolvendo TI também, somos capazes de fornecer novos serviços sobre a infraestrutura de telecomunicações. Portanto, se as teles querem fornecer outros negócios, como ao setor financeiro ou de varejo, ajudamos a explorar essas novas oportunidades.”


Internet das Coisas exige rediscussão sobre neutralidade no Marco Civil

Para o diretor de Produtos e Tecnologia da Ericsson, Paulo Bernardocki, as operadoras precisam começar o mais rápido possível para aprender a ter as coisas como clientes.

Sem conectividade, não há estratégia de computação em nuvem

CenturyLink é uma MVNO e mantém o interesse de atuar tão somente para as empresas corporativas, revela o diretor de Dados, Eduardo Freitas.


Futurecom 2018 - clique aqui e confira a cobertura completa.
Editora Convergência Digital
Copyright © 2005-2018 Editora Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site