Home - Convergência Digital

Teles vão ganhar dinheiro com coisas conectadas como provedores de serviços

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo e Pedro Costa - 25/10/2018

Como monetizar as coisas conectadas têm sido a grande pergunta do ecossistema de Internet das Coisas. Especialmente nas operadoras de telecomunicações. E ganhar dinheiro com IoT acontecerá com serviços que facilitem ainda mais o dia a dia das pessoas, observa Paulo Zambroni, da Ericsson Brasil. No Futurecom 2018, realizado de 15 a 18 de outubro, em São Paulo, a fabricante apresentou um case: bicicletas conectadas a um sistema de monitoramento e de gestão de recursos.

"O modelo permite que uma pessoa usando a bicicleta possa parar num café e pagar pelo sensor. Esse modelo faz com que a tele deixe de ser um canal de tecnologia e se torne um provedor de serviços dentro de um novo ecossistema", frisa o especialista. A fabricante estima que, em 2023, serão mais de 20 bilhões de objetos conectados a partir do serviço comercial do 5G.  Assistam a entrevista com Paulo Zambroni, da Ericsson.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

03/12/2018
Brasil segue tímido nas ações de fomento à Internet das Coisas

03/12/2018
Se o 4G é engessado, o 5G se define pela flexibilidade

30/11/2018
5G põe um ponto final num ciclo de grande desperdício de energia em telecom

30/11/2018
5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

28/11/2018
Anatel: compartilhamento é obrigatório para as operadoras no 5G

21/11/2018
Por reinvenção, TIM vai comprar plataforma de Inteligência Artificial

21/11/2018
TIM se aproxima das startups por mais Inovação aberta

21/11/2018
Destravar a construção de redes no Brasil passa por regras mais claras

19/11/2018
Operadoras competitivas precisam ganhar dinheiro ao fim do dia

19/11/2018
Nextel: Anatel precisa desburocratizar o compartilhamento de frequência

Destaques
Destaques

5G exige pelo menos 100 MHz para cada operadora no Brasil

O tema preocupa a coordenação de espectro do 5G Brasil, uma vez que foram destinados 300 MHz na faixa intermediária e há quatro operadoras nacionais.

Segurança cibernética é crítica para o avanço do 5G

O tema é considerado polêmico - até em função das questões políticas que o envolvem como a briga China x EUA -, mas precisa ser debatido, observa Gustavo Correa Lima, engenheiro do CPqD.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site