INTERNET

Com medo dos EUA, Europa adia planos de imposto para internet

Convergência Digital* ... 06/11/2018 ... Convergência Digital

Os governos da União Europeia estão divididos sobre um plano de taxar o volume de negócios de gigantes de internet como Google, da Alphabet, e Facebook, temendo retaliações dos Estados Unidos, e podem adiar sua aplicação até que um acordo global seja alcançado, disseram autoridades na terça, 6/11.

Pela proposta apresentada em março pela Comissão executiva da UE, os países-membros cobrariam uma taxa de 3% sobre as receitas digitais de grandes empresas acusadas de evitar impostos, direcionando seus lucros para países do bloco com impostos mais baixos. Mas o plano, que exige o apoio de todos os 28 Estados da UE, é combatido por um grande número deles.

O esforço da Comissão para criar um sistema para garantir que as empresas de internet paguem uma taxa adequada está sendo executado paralelamente a um estudo sobre o assunto pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), buscando uma abordagem multilateral.

“É muito difícil ver um acordo sobre o imposto digital porque muitas questões técnicas ainda não estão resolvidas”, disse o ministro das Finanças dinamarquês, Kristian Jensen, a repórteres durante uma reunião com seus pares do bloco.

Ele acrescentou que o imposto proposto pela UE foi criado de uma maneira que atingisse principalmente as empresas norte-americanas e, portanto, atrairia retaliações dos EUA. “É claro que haverá uma reação dos EUA”, disse ele, dizendo que o imposto “não é uma boa ideia para a Europa”.

Suas declarações ecoaram comentários feitos por diplomatas de vários estados da UE, incluindo Alemanha, Suécia, Irlanda e Malta, em uma reunião na semana passada, de acordo com funcionários da UE.

A França, que por muito tempo tem sido a principal apoiadora do imposto, sugeriu nesta terça-feira que poderia apoiar um prazo maior para implementar um novo sistema tributário, para que a OCDE possa concluir sua análise.

Estados da UE estão discutindo duas opções colocadas na mesa pela Comissão Europeia. O plano mais ambicioso implicaria um movimento unilateral da UE e é rejeitado por vários membros do bloco europeu. A segunda opção, que até agora foi marginalizada, revisaria as regras tributárias para que as taxas pudessem ser impostas às empresas com base em sua “presença digital” em cada Estado. Esta opção levaria mais tempo para ser aplicada e estaria alinhada com o trabalho da OCDE.

* Da Reuters


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G