INOVAÇÃO

Lei de Dados pessoais acirra debate por ética e privacidade digital

Ana Paula Lobo* ... 06/12/2018 ... Convergência Digital

Para o professor e coordenador do MBA em Marketing Digital da FGV, André Miceli, a ética e a privacidade digitais vão estar na lista de preocupações dos indivíduos, organizações e governos em 2019. De acordo com ele, as pessoas estarão cada vez mais preocupadas sobre como suas informações pessoais serão usadas por organizações nos setores público e privado.

"A demanda por clareza aumentará para empresas que não estejam abordando proativamente essas questões. Espero que haja um foco crescente em conformidade, mitigação de riscos e valores nos próximos anos, mas 2019 será importante, pois marca o último ano completo antes do limite para adequação da Lei Geral de Proteção de Dados brasileira", diz André Miceli.

O professor da FGV lembra que as empresas terão até 2020 para implementar as mudanças obrigatórias aprovadas este ano por aqui. "Por isso, haverá investimento, demanda e diversos serviços necessários. Parte da questão da privacidade é ética, mas agora, parte é lei. Os dois casos doem no bolso e isso costuma gerar movimentações importantes", ressalta o especialista.

André Miceli diz ainda que os brasileiros deverão se acostumar com o termo Autonomous Things e suas variações. Ele explica que as coisas autônomas, abreviadamente AuT, ou a Internet de Coisas Autônomas, abreviada como IoAT, representam a chegada dos computadores no ambiente físico, através de entidades que funcionam sem a necessidade da direção humana, movendo-se livremente e interagindo com pessoas e outros objetos.

"Nos últimos anos, vimos uma evolução bastante consistente das tecnologias de inteligência artificial. Chegou a hora de começarmos a presenciar uma aplicação prática delas. Robôs, veículos, drones e eletrodomésticos serão a porta de entrada. No Brasil, os tratores na agricultura e robôs nas fábricas marcarão o começo. No mundo, já será possível ver perspectivas bem claras para os demais equipamentos", prevê o professor da FGV.

Miceli afirma também que o Blockchain deve começar a remodelar algumas indústrias, permitindo a acordos descentralizados, proporcionando transparência e reduzindo o atrito entre os ecossistemas de negócios. O professor da FGV pondera ainda que o próximo ano será um marco da popularização dessa experiência. No entanto, Miceli acredita que apenas nos próximos anos veremos uma adoção colossal de plataformas de conversação.

"Os equipamentos de realidade aumentada, mista e virtual têm potencial para aumentar a produtividade em diversos setores, aumentar a percepção de indivíduos com algum tipo de limitação física, mudar as maneiras de perceber formas, acompanhar pessoas, falar, viajar, consumir conteúdo e, em linhas gerais, viver", completa o professor da FGV.

*Com informações da Assessoria de imprensa da FGV


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Fintechs incubadas pelo BC já encontram negócios no sistema financeiro

Projetos selecionados pelo Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas já estão em uso em instituições como Bradesco e há negociações com outras instituições.

FICO leva IA e machine learning para além da indústria financeira

Verticais como varejo, manufatura e telecomunicações já são usuárias da solução,revela o vice-presidente e diretor-geral da FICO para América Latina e Caribe, Alexandre Graff.

Seguradora HDI trabalha legado para pavimentar transformação digital

Seguradora instituiu um plano de jornada, com quatro anos de duração, para se adaptar à uma nova era digital, afirma a CIO da HDI, Denise Ciavatta.

Brasil fica longe da Inovação e acumula mais de 225 mil pedidos de patentes

Estudo produzido pela Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI) adverte que o País só despenca no ranking global de inovação e, neste momento, ocupa a última posição. Governo e empresas privadas investem pouco e não assumem os riscos inerentes à Inovação.

Ministério da Economia quer privatizar o financiamento à inovação

Além das empresas estatais de TICs como Serpro, Dataprev, Telebras e Ceitec, lista da secretaria de desestatizações , comandada por Salim Mattar, inclui a Finep, agência de fomento do MCTIC, e o próprio BNDES.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G