TELECOM

Vivo testa modelo de 'pagar pelo crescimento' da Furukawa para expandir FTTH

Ana Paula Lobo ... 06/12/2018 ... Convergência Digital

Desenvolvido pela Furukawa no Brasil, o modelo 'pay as you grow', ou pagar quando houver crescimento, está sendo usado para fomentar a expansão das conexões FTTH (Fiber to the home) no Brasil. A Vivo, por exemplo, realizou dois pilotos - um em Brasília e outro em Uberlândia, Minas Gerais - para construir infraestrutura onde não há ainda a presença da operadora.

Em encontro com a imprensa, nesta quinta-feira, 06/12, o presidente da Furukawa Brasil, Foad Shaikhzadeh, explicou que o modelo se baseia em tecnologia de pré-conectorização em cascata. Na prática, a técnica evolui o conceito de home passed, onde casas que não têm o serviço recebem infraestrutura, para consolidar o home conect, onde se leva a infraestrutura efetivamente para quem quer receber o serviço da operadora.

"A Telefônica está construindo sua rede do zero em áreas onde não tem presença e, agora, avalia se vai operacionalizar a estratégia. Mas a solução é para quem tem rede HFC e quer mudar para o FTTH. Não há como não se fazer mais essa evolução. Todas as concessionárias terão de atualizar suas redes. Não há mais como evitar os investimentos, e o modelo de pagar pelo crescimento, facilita o CAPEX e o planejamento das operadoras", acrescenta Shaikhzadeh.

Em visita ao Brasil, o presidente mundial da Furukawa, Keiichi Kobayashi, sustentou que a sociedade conectada do 5G exige mais e mais fibra óptica. Ele revelou que a companhia já definiu um plano para 2030 onde a infraestrutura de telecomunicações terá a missão de oferecer conforto, segurança e identidade ao cidadão. O executivo diz que as metas para o Brasil estão definidas e não serão modificadas por conta do novo governo. "Sabemos que haverá mudanças, mas a nossa linha está traçada. O fábrica no Brasil está recebendo novos investimentos para ampliar a sua capacidade de produção até 2020", reforçou.

No modelo de 'pay as you grow' - criado no Brasil e exportado para outros países - a Furukawa comemora o contrato fechado com a operadora local de TV, telefonia e banda larga mexicana Izzi Telecom, com sede em Monterrey. A empresa possui uma rede de cobre com 30 mil Km de extensão e fará, em dois anos, começando a partir de janeiro, por meio da Furukawa, a atualização da sua infraestrutura para FTTH. Apenas em custos de materiais o contrato é orçado em US$ 50 milhões. A Furukawa vai trabalhar com Nokia, Huawei e ZTE, que serão responsáveis pelos equipamentos de rede.

"Não dá mais para as grandes operadoras postergarem seus investimentos na atualização das redes. Claro/Net, TIM, Oi e Vivo terão de migrar suas infraestruturas para remodelar seus negócios e atender aos clientes. Não por acaso, nosso investimento para 2019 ( o ano fiscal começa em março) passará para R$ 58 milhões, um incremento de mais de 20% em relação ao feito em 2018 (R$ 48 milhões). As redes FTTH vão ser uma realidade e há muitas oportunidades, sem falar das empresas de Internet que já respondem por 50% do nosso negócio", completou Foad Shaikhzadeh.


Internet Móvel 3G 4G
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

Depois de teste, realizado em fevereiro, a tele anuncia o 5G DSS, com smartphone Edge, da Motrorola, com 5G. Conexões podem ser até 12 vezes mais velozes do que no 4G. A tecnologia é da Ericsson. Aquisição da Nextel foi considerada estratégica para o serviço.

Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

Proposta foi apresentada em reunião do Conselho Diretor da Anatel.  Mas a faixa é usada pela Força Aérea Brasileira para aplicações de telemetria. Agência sugere destinar 30 MHz para satélites, como forma de evitar interferência.

Telefone ainda é o canal preferido para reclamações sobre serviços

Desde o início da pandemia da Covid-19, mais de um terço das solicitações (36%) foi encaminhada por telefone, bem à frente chat (21%) e email (20%).

Anatel publica novo regulamento de arrecadação de tributos

Norma disciplina recolhimento do FUST, Fistel, e da Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública.

Oi: Atraso do novo marco de Telecom jogou ao menos R$ 3 bilhões no 'ralo'

A migração de concessão para autorização só vai acontecer se o processo for sustentável. "Ou resolvemos antes ou esse problema termina em 2025", afirmou o CEO da Oi, Rodrigo Abreu. Sobre a Anatel, principal credora da Oi, o executivo disse que vai busca nova negociação. A volta do Minicom é positiva. "Teremos um interlocutor mais próximo".

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G