INCLUSÃO DIGITAL

PC fica cada vez mais distante da população mais pobre no Brasil

Ana Paula Lobo* ... 06/12/2018 ... Convergência Digital

A desigualdade de acesso entre o total da população e aqueles abaixo da linha da pobreza é mais marcante no acesso por computador, 40,7% contra 14,5%, do que no acesso por meio de outros equipamentos como tablets, celulares e televisores, 73,7% frente a 57,5%. Os dados fazem parte da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), que  analisou o tema pobreza utilizando diferentes medidas que mostram o aumento da pobreza entre 2016 e 2017, e divulgada nesta quinta-feira, 06/12.

O estudo mostra que, de acordo com a linha de pobreza proposta pelo Banco Mundial (rendimento de até US$ 5,5 por dia, ou R$ 406 por mês), a proporção de pessoas pobres no Brasil era de 25,7% da população em 2016 e subiu para 26,5%, em 2017. Em números absolutos, esse contingente variou de 52,8 milhões para 54,8 milhões de pessoas, no período. Nessa mesma análise, a proporção de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos que viviam rendimentos de até US$ 5,5 por dia passou de 42,9% para 43,4%, no mesmo período.

Já o contingente de pessoas com renda inferior a US$ 1,90 por dia (R$ 140 por mês), que estariam na extrema pobreza de acordo com a linha proposta pelo Banco Mundial, representava 6,6% da população do país em 2016, contra 7,4% em 2017. Em números absolutos, esse contingente aumentou de 13,5 milhões em 2016 para 15,2 milhões de pessoas em 2017.

Em 2017, o rendimento médio mensal domiciliar per capita no país foi de R$ 1.511. As menores médias foram no Nordeste (R$ 984) e Norte (R$ 1.011), regiões onde quase metade da população (respectivamente, 49,9% e 48,1%) tinha rendimento médio mensal domiciliar per capita de até meio salário mínimo. A pesquisa está disponível nesse link.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Parceira da Telebras amplia WiFi via satélite no México para áreas urbanas

Dois anos depois de começar a explorar banda larga satelital em áreas remotas do país, como promete fazer no Brasil, a empresa americana Viasat anuncia conexões de 100 Mbps e preços para competir com internet fixa.

CPFL: É preciso predisposição para se ter um consenso no uso dos postes

"Não é fácil, mas é preciso existir um alinhamento. Estão todos do mesmo lado", diz o diretor da CPFL, André Luiz Gomes.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.

Brasil precisa quebrar barreiras para ter um governo único digital

"O cidadão é o mesmo no município, no Estado e no governo federal. Tem de existir um atendimento único. Não pode ter briga com as Prods. Esse é o nosso desafio", afirma o diretor de Operações do Serpro, Iran Porto.

Telebras considera preços defendidos pelo TCU como 'sugestão', não como 'obrigação'

Presidente da estatal, Jarbas Valente, espera concluir negociações com a Viasat antes do prazo de 90 dias determinado pelo Tribunal.

TCU libera GESAC, mas exige mudanças no contrato entre Telebras e Viasat

Tribunal de Contas reconheceu como válida a inexigibilidade de licitação pela Telebras. Também entendeu como legal o acordo firmado com a Viasat, mas exigiu uma renegociação de condições financeiras mais favoráveis.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G