TELECOM

Só a Anatel pode dar clareza à disputa tributária na IoT

Ana Paula Lobo e Rafael Mariano ... 12/12/2018 ... Convergência Digital

O Fisco avança sobre bens digitais até porque não há clareza nas regras desses novos serviços, observa o advogado Luiz Roberto Peroba, do Pinheiro Neto Advogados, que participou do 32º Seminário ABDTIC, realizado em São Paulo. Com relação à Internet das Coisas, o especialista é taxativo: quem pode minimizar os conflitos tributários é a Anatel.

Cabe à agência reguladora, observou em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, clarificar as etapas do serviço e definir se há a caracterização de serviços simples, de valor agregado ou de telecomunicações.

"Só a Anatel pode fazer isso. IoT vai sofrer como os outros serviços com a disputa entre a cobrança de ISS x ICMS. Como também dos tributos determinados para o próprio setor de Telecomunicações. No fundo, do ponto de vista tributário, o ideal é que se tenha regras claras", ressalta. Assistam a entrevista com Luiz Roberto Peroba.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Por mudança no plano de recuperação judicial, Oi adia divulgação de resultados

Operadora deveria divulgar os resultados do primeiro semestre nesta quinta-feira, 28/05, mas adiou para 15 de junho. Mas para conter especulações, Oi disse à CVM que possui R$ 6,31 bilhões no caixa.

STF usa caso de lei paulista para cassar decisões sobre antenas no Rio, Minas e DF

Relator de três ações similares, Gilmar Mendes adotou o mesmo entendimento firmado pelo Supremo quando derrubou legislação estadual de São Paulo que restringia instalação de antenas de celular. 

Algar Telecom contabiliza aumento de 26% na carteira de clientes B2B

Operadora diz que não sentiu efeito da Covid-19 nos resultados do primeiro trimestre, mas reforçou o caixa como forma de precaução, com a emissão de R$ 150 milhões em debêntures em abril. O objetivo da captação foi garantir um colchão para “o cenário de incertezas”.

MPF quer que STF autorize acesso a dados de celular sem ordem judicial

Para MPF, é lícito extrair informações dos aparelhos no momento da prisão de suspeitos. 




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G