TELECOM

4G, 4,5G e fibra óptica são prioridades da Vivo em 2019

Ana Paula Lobo ... 17/12/2018 ... Convergência Digital

Não pensem em uma troca de comando com mudanças radicais na Vivo. O atual presidente, Eduardo Navarro, que passa a responder pelo conselho de Administração a partir de janeiro, além de uma diretoria na Telefônica, na Espanha, garantiu que a mudança foi planejada. "Não haverá descontinuidade dos planos. O Gebara está na empresa há oito anos. Ele vai fazer a transformação digital da Vivo", afirmou, em encontro com a imprensa, realizado nesta segunda-feira, 17/12, em São Paulo.

Navarro classificou 2018 como um ano positivo. Segundo ele, foi o ano de fazer uma Vivo melhor e voltada para melhorar a experiência do cliente. Segundo o executivo, em Telecomunicações, sempre há de se avançar muito quando se fala em relacionamento com o assinante, mas estamos investindo na digitalização para fazer a nossa parte".

Com relação ao novo governo, há uma grande expectativa - houve uma reunião com o ministro nomeado para Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Marcos Pontes. Segundo Navarro, o encontro foi positivo e houve a demonstração de  tentar compreender a relevância do setor. Para Christian Gebara, a Vivo não é mais uma empresa de telecomunicações, mas, sim, de tecnologia. "Nossa missão é ofertar novos serviços aos assinantes", reforça. Não por acaso, a digitalização desponta como crucial para a estratégia. "Queremos que o assinante use ao máximo o aplicativo para se comunicar conosco".

Ainda sobre a nova composição da Telefônica/Vivo no Brasil, Gebara disse que, pela primeira vez, a operadora terá presidente e presidente de Conselho diferentes. A ideia, explica, é que cada um tenha a sua missão. "O presidente do Conselho, no caso o Navarro, terá papel relevante na parte de institucional, de política. Eu também vou estar à frente, mas haverá uma cogestão", falou, ao ser indagado sobre o governo Bolsonaro. "O mais importante é que a economia se consolide e haja mais geração de emprego", completou Gebara.

Do ponto de vista operacional, dos R$ 26 bilhões previstos de investimentos no Brasil entre 2018 e 2020, a maior parte irá para a infraestrutura 4G, 4,5G e para levar fibra óptica até a casa do assinante, diz Gebara. O planejamento da Vivo prevê chegar a 3000 cidades com 4G e 1000 cidades com 4,5G. Em fibra, a expansão será em FTTH. Hoje já são 9 milhões de casas prontas para receber a fibra da Vivo.

No ano passado eram 7 milhões e até 2020, a projeção é chegara a 15 milhões de casas. Também há o projeto de sobrepor a cobertura FTTC - fibra com cobre - da GVT, que chega a 11 milhões de casas. "Estamos fazendo um overlay em Curitiba, por exemplo. Mas temos cidades sem infraestrutura como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, entre outras. Nosso desafio é ampliar presença nessas e em outras capitais", completa.



Internet Móvel 3G 4G
Leilão 5G na Alemanha já supera 6 bilhões de euros

Licitação, que está na 10ª semana, superou todas as expectativas de arrecadação, mas provoca dúvidas sobre a capacidade financeira dos vencedores para investir na construção das redes.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Telefônica: gap digital é enorme no Brasil

Ao participar do Painel Telebrasil 2019, o presidente da Telefônica/Vivo, Christian Gebara, disse que  a empresa manterá os investimentos no Brasil, mas advertiu que é urgente criar um ambiente mais favorável aos investimentos. Gebara lembrou que 87% dos municípios brasileiros não contam com conexões acima de 34Mbps disponíveis.

Presidente do Senado quer votar marco de telecom até junho

"Estamos buscando o entendimento para ainda neste semestre resolvermos essa matéria e entregarmos ao Brasil a capacidade de investir R$ 20 bilhões, R$ 30 bilhões", disse Davi Alcolumbre às teles durante o Painel Telebrasil 2019.

Leilão do 5G inclui quatro faixas e será o maior da história da Anatel

Proposta que chega ao conselho diretor da agência elenca 3.600 MHz de radiofrequências para o leilão previsto para o primeiro trimestre de 2020. “Quanto maior a disponibilidade, menor será o custo de levar essa capacidade”, afirma o presidente da agência, Leonardo de Morais.

Anatel vai permitir que roteadores WiFi tenham potência maior

“Hoje temos uma limitação de 200 miliwatts na faixa de 5150 a 5350 MHz, limitando o uso apenas indoor, sendo que na faixa superior temos possibilidade de uso de até 1 Watt de potência. Plano é deixar esse limite flat”, explica o gerente de espectro da agência, Agostinho Linhares.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G