OPINIÃO

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*
10/01/2019 ... Convergência Digital

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.Desta forma, realizar análises criteriosas estabelece se uma decisão é ou não a mais indicada para o momento. Diante dessa avaliação múltipla de diferentes possibilidades e cenários, os gestores podem garantir todas as bases de uma tomada de decisão embasada e assertiva.

Se é complicado falar sobre isso, imagine fazer: atualmente, a cada vez maior e mais instaurada cultura orientada por dados substitui a análise intuitiva e baseada em impressões particulares, pessoais ou mesmo empresariais, sobre o mercado. Embora o que chamamos de "feeling" ainda tenha seu valor, este deve ser substituído por uma abordagem qualitativa e quantitativa mais exata, mais precisa, para conduzir análises estratégicas das informações.

E, ao contrário do que se possa pensar, esta não é uma questão de conhecimento e concordância geral: mesmo diante das implicações negativas que o "achismo" pode ter sobre os negócios, 67% dos executivos em todo o mundo ainda preferem confiar em seus instintos em detrimento da análise de dados, de acordo com o estudo CEO Survey, divulgado recentemente pela KPMG.

Por outro lado – e ainda bem -, os demais gestores ouvidos pela pesquisa já iniciaram investimentos em soluções que ampliem a busca pela democratização da informação e da ampla conexão, tendo percebido que a grande quantidade de dados gerados, armazenados e analisados exige um novo raciocínio para que as organizações continuem sendo competitivas e, de fato, possam melhorar os resultados de negócios.

A transformação não deve se restringir às informações: também precisa ser ligada à mentalidade dos profissionais, proporcionando uma percepção diferente que pode, então, ser aplicada a toda a empresa e tornar-se sua cultura orientada a dados.As informações que auxiliam a impulsionar os resultados das estratégias e as operações das empresas devem ser o cerne de uma organização conectada e que apresenta elevada maturidade digital, advinda de um processo de transformação que transporá os silos departamentais.

Direcionar a gestão por meio da avaliação dos dados e da aplicação de análises preditivas tem o poder, ainda, de otimizar funções verticais que atuam de maneira isolada para indicarem novos modelos de negócios, que coloquem os consumidores no centro das operações, conferindo agilidade e redução de custos na tomada de decisão, além de valor ao cliente.

Isso tudo passa, é claro, por dois pilares principais: a estratégia cultural, da qual falamos em todo este artigo, e a tecnologia, pautada em soluções de Business Intelligence e Business Analytics.

Ao passo que a análise baseada na percepção intuitiva utiliza mais elementos subjetivos e suscetíveis a erro, a análise de dados tem como base informações concretas e tangíveis. A atual quebra de paradigma na gestão empresarial ocorre justamente por conta das vantagens que o modelo tecnológico apresenta.Com o aumento crescente da produção de dados, é essencial saber como coletá-los, armazená-los, compilá-los e extrair decisões que de fato ofereçam melhores resultados de negócios.

Os processos manuais e internos costumam não apenas gerar grandes gastos, mas também baixa confiabilidade nas informações. Então, para que esta análise de dados seja de fato relevante, basta contar com plataformas tecnológicas e parceiros experts.

*Douglas Scheibler é CEO da BIMachine


Carreira
Marketplace móvel faz hackathon para área de pagamentos

Grupo Movile promove os desafios nas cidades de Recife e São Carlos (São Paulo) no mês de fevereiro.Selecionados vão receber diversos tipos de treinamentos online e terão auxílio dos mentores especiais, entre eles, Flavio Stecca, CTO do iFood.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

Governo precisa atuar como coordenador na remoção às barreiras inúteis em Telecom

Se não é possível ao governo fazer investimentos, que ele funcione como um coordenador e incentive o diálogo com os órgãos que, hoje, dificultam os investimentos em redes, diz o presidente-executivo da TelComp, João Moura. Novo ciclo do PGMC é a última oportunidade para fomentar a inclusão.


Veja a Cobertura Especial do IX Seminário TelComp 2016

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G