Home - Convergência Digital

Transformação digital: reter e atrair talentos redefine o Recursos Humanos

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 05/02/2019

Atrair e reter talentos é um dos grandes desafios das empresas e apesar de muitas organizações enxergarem isso como uma das prioridades, a maioria ainda não entende a importância de recrutar profissionais que têm aderência a cultura corporativa, observa a headhunter da Yoctoo, Marina Bandão. Segundo ela, uma vez que a empresa consegue montar um time coeso, que trabalha alinhado com os valores da organização, atingir as metas e os resultados fica muito mais fácil, é nesse lugar que surge a importância de recrutar e reter talentos que compartilham dos valores empresariais.

Um dos desafios das corporações é avaliar se os candidatos têm aderência a cultura organizacional. Marina Brandão ressalta que é preciso entender o que é, e como se forma essa cultura interna. Em linhas gerais, explica a especialista, a cultura organizacional é a essência da empresa, aquilo que é percebido no dia a dia do trabalho, expressada na maneira como a organização se relaciona com o mercado, como trata seus clientes, como desenvolve seus funcionários e como esses interagem entre si. Ou seja, é um conjunto de hábitos, valores e atitudes que estão implícitos e explícitos em todas as relações e pontos de contado do negócio.

Identificar e construir essa cultura passa por observar atentamente um conjunto de fatores e influenciar positivamente aquilo que estiver coerente com a identidade da organização, bem como descontruir hábitos que são nocivos e não têm afinidade com os valores empresariais. O departamento de Recursos Humanos é um norteador dessa cultura, ele exerce papel indispensável no fomento dessas atitudes, no engajamento das pessoas e na formação de um time que esteja alinhado a esse conjunto de regras e valores.

A headhunter sinaliza que, na hora de avaliar os candidatos, um dos principais fatores que temos que ter clareza é quais são os valores da empresa que estamos trabalhando, bem como ter mapeado o que define a sua cultura organizacional. Da mesma forma, para identificar se o profissional está alinhado o recrutador precisa entender o momento de carreira que essa pessoa está vivendo, e fazer perguntas abertas sobre as escolhas de carreira que essa pessoa fez. A medida que entendemos os motivadores de carreira, a maneira como a pessoa toma decisões, as circunstâncias e situações que o profissional vive ou já viveu em sua vida, fica mais fácil traçar um perfil e entender se esse candidato tem o mesmo posicionamento que a empresa.

Perfis psicológicos são bons norteadores, mas o feeling e a experiência do recrutador ainda são indispensáveis nesse processo. Quando ao assunto é recrutamento é muito difícil encontrar pessoas 100% alinhadas a cultura da empresa. Mas, quanto mais próximas essas estiverem dos valores, mais fácil incentivar internamente algumas características e “plantar sementes” por meio da comunicação e do feedback.

Para Marina Brandão, um processo de contratação precisa fazer sentido para ambos os lados, e por isso, o candidato também precisa avaliar se a empresa e a oportunidade estão de acordo com as suas expectativas de carreira. Isso vai além da descrição de tarefas da posição. O profissional deve avaliar o quanto o propósito da empresa conversa com seus valores pessoais e seus sonhos e objetivos de vida. É muito difícil nos entregarmos para um projeto o qual não acreditamos, portanto, o autoconhecimento é uma ferramenta indispensável nesse processo.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/08/2019
Citrix: Funcionários desengajados travam a transformação digital

06/08/2019
Nuvem pública dos órgãos federais volta a travar na Justiça

06/08/2019
Japonês Softbank compra 8% do brasileiro Banco Inter

02/08/2019
INPI promete reduzir prazo para registro de chips de 70 para 7 dias

30/07/2019
Teles e bancos são setores mais avançados na transformação digital

18/07/2019
Hospital Santa Paula faz jornada digital, mas alerta para falta de cientistas de dados

10/07/2019
ISPs e transformação digital aquecem o mercado de fibra óptica no Brasil

05/07/2019
BRF faz transformação digital e consumidor ganha voz de decisão

12/06/2019
Governos precisam de CIOs para liderar a incorporação das inovações

10/06/2019
Consultoria brasileira Yaman firma parceria com a Tricentis por transformação digital e DevOps

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

A posição é defendida pelo diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani. Segundo ele, acumular tarefas e colocar prazos em conflito é um risco alto.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site