TELECOM

Em quatro anos, telefonia celular no Brasil perdeu um em cada cinco chips

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/02/2019 ... Convergência Digital

Com a perda de mais 7,2 milhões de chips em 2018, o mercado brasileiro de telefonia móvel chega ao quarto ano de ajuste tendo deixado para trás praticamente um quinto da base de assinantes que detinha em seu pico, em meados de 2015. Até aqui o saldo líquido é negativo em mais de 55 milhões de acessos, em um movimento que combina um empurrão regulatório com a troca da voz por dados.

No total, 2018 terminou com 229,2 milhões de chips ativos, contra mais de 284 milhões de maio de 2015. Naquele ano, o mercado começou a sentir os efeitos de uma decisão tomada pela Anatel dois anos antes, quando começou a forçar a queda da tarifa de interconexão – que muito alta, incentivava as ligações entre a mesma operadora e o uso de chips diferentes para cada caso.

Além de dispensar gradativamente os múltiplos chips, os brasileiros também começaram a migrar para planos melhores, em especial com tecnologia 4G, o que também marca a transição dos serviços focados em voz para os dados, com predominância dos smartphones e do LTE, que já representa 56% dos chips ativos. Ao mesmo tempo, os pós-pagos pularam de 28% para 43% do total.

O ajuste pegou todas as principais operadoras, ainda que em diferentes graus. A Vivo, que perdeu 1,7 milhão de chips em 2018, manteve-se líder com 73,1 milhão de linhas ativas, ou 31,9% do mercado. Claro e TIM seguem disputando o segundo lugar, com os mexicanos, que perderam 2,6 milhões de chips no ano, à frente com 56,4 milhões de acessos ativos, ou 24,6% do total.

A TIM, tendo perdido 2,7 milhões, terminou o ano na terceira posição, com 55,9 milhões de chips em serviço, e uma fatia de 24,3%. Atrás dela aparece a Oi, com 37,7 milhões de acessos ativos, o que representa 16,4% do mercado.  A operadora perdeu 1,2 milhão de chips ao longo de 2018.


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

Governo autoriza aumento de capital da Telebras de R$ 1,17 bilhão

Montante é reflexo dos aportes autorizados em 2015, 2016, 2017 e 2018, quando a estatal estava ainda em acerto financeiro do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 

Comissão aprova prazo de seis meses para instalação de bloqueador de celular em presídios

Relator do projeto retirou o dispositivo que condicionava as novas outorgas de telecomunicação à instalação, ao custeio e à manutenção dos bloqueadores pelas prestadoras.

Com Smart, Algar Telecom fica com 1.100 Km de rede própria em Pernambuco

Compra da Smart Telecomunicações foi concluída e empresa tem previsão de investir R4 78 milhões na região Nordeste nos próximos cinco anos.

Entidades rebatem Anatel e lançam carta contra o PLC 79/16, o projeto que muda telecom

Em contraponto à agência reguladora, entidades de defesa de consumidores e de direito à comunicação criticam o PLC 79/16, alegam que a proposta favorece a concentração e reduz o poder da União de exigir investimentos em banda larga. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G