NEGÓCIOS

CADE diz que conluio de empresas de cabos submarinos prejudicou o Brasil

Convergência Digital* ... 08/02/2019 ... Convergência Digital

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (SG/Cade) recomendou, em despacho assinado nesta sexta-feira (08/02), a condenação de seis empresas e duas pessoas físicas por formação de cartel internacional, com efeitos no Brasil, no mercado de cabos subterrâneos e submarinos. Os produtos são utilizados na transmissão de energia elétrica entre as unidades geradoras e distribuidoras e os usuários finais do serviço.

De acordo com o parecer da SG/Cade, o cartel teria operado entre o início dos anos 1990 até, ao menos, julho de 2004. A conduta teria afetado o mercado internacional, causando prejuízos em território nacional às empresas que adquiriram esses cabos, sobretudo produtoras e distribuidoras de energia elétrica. Os consumidores finais também teriam sido lesados pela conduta anticompetitiva em virtude de o cartel afetar componente essencial para a transmissão de energia elétrica, o que teria resultado em preços mais caros para esse serviço.

Ainda segundo a Superintendência-Geral, as empresas Exsym Corporation, LS Cable LTD, Nexans, Prysmian S.p.A, Taihan Electric Wire e Viscas Corporation – principais fabricantes mundiais desses produtos – teriam dividido entre si territórios e projetos, discutido e combinado preços a serem cotados em projetos específicos, que também incluíam o mercado brasileiro.

A investigação apontou que o conluio era marcado pela troca regular de informações consideradas sensíveis sob a ótica concorrencial (como, por exemplo, capacidade de produção, escassez de oferta, requisitos de qualidade dos clientes, dados sobre lançamento de novos produtos etc.) que impactaram negativamente o mercado.

A SG/Cade verificou também a ocorrência de acordos bilaterais entre as empresas em relação à posição alcançada em licitações e demais concorrências, o que teria possibilitado aos agentes envolvidos acesso a dados específicos relativos às atividades dos concorrentes e às condições de mercado.

Desse modo, teria sido possível que essas empresas tomassem decisões sobre preços e quantidades ofertadas no mercado mundial de cabos, além de dividirem entre si os territórios sobre os quais cada participante do cartel teria preferência durante o período investigado.

O processo administrativo segue agora para julgamento pelo Tribunal do Cade, responsável pela decisão final. Caso sejam condenadas, as empresas poderão pagar multas que podem alcançar até 20% do seu faturamento bruto. Já as pessoas físicas ficam sujeitas a multas de R$ 50 mil a R$ 2 bilhões.

O cartel internacional no mercado cabos subterrâneos e cabos submarinos também foi investigado em outras jurisdições recentemente. Europa, Austrália e Japão proferiram decisões formais, condenando, ainda que parcialmente, as empresas envolvidas pelas práticas anticompetitivas.

 


Cloud Computing
Perda dos dados é o medo real dos gestores de segurança com a nuvem pública

Acessos não autorizados, interfaces inseguras, más configurações e hijacking de contas são as principais vulnerabilidades apontadas pelas companhias para não colocarem suas infraestruturas na nuvem pública, revela estudo global da Check Point.

Por mercado de BPO, Lumen IT compra Superabiz

Valor da transação não foi revelado pelas partes. Expectativa da fusão é simplificar o acesso às soluções de compliance fiscal, jurídico e para o SPED.

#RioéTech abre programação do Rio Info 2019

Evento, que chega em 2019 a sua décima sétima edição, já gerou R$ 250 milhões em negócios. Pré-eventos serão realizados em diversas cidades do Estado do Rio de Janeiro para aproximar empresas e Academia.

TI fica ainda mais estratégica na disrupção digital

“Onde existir um elo mais fraco pode haver uma disrupção grande e entrar uma fintech, uma startup”, lembra o vice-presidente de serviços financeiros da BRQ, José Antonio Afonso Pires.

Unisys: open banking só existirá com a LGPD implementada no Brasil

"Os dois são interligados porque a premissa maior é a segurança da informação", observa o vice-presidente e líder da Vertical de Serviços Financeiros para América Latina, Luís Rego. Decisão do Banco Central de postergar a consulta pública sobre o tema tem pontos positivos e negativos.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G