GOVERNO » Compras Governamentais

MCTIC quer rever decisão que obriga Telebras a disputar licitação no Governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/02/2019 ... Convergência Digital

Pressionado pela Economia para se desfazer das estatais vinculadas, o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações defende organizar as suas primeiro. E um dos passou foi o pedido já apresentado ao Palácio do Planalto para que seja revista uma medida tomada o apagar das luzes do governo de Michel Temer – a revogação do Decreto 8.135/13, que garantia à Telebras (e ao Serpro) contratos com órgãos públicos sem licitação.

“O Decreto de Temer retirou a Telebras de prestar serviço aos órgãos público. Já entramos com pedido de rever esse Decreto, porque ele causa uma instabilidade muito grande. Ele obriga ter a concorrência, mas imagine pequenas e médias secretarias comprar cada uma por si só. Uma vai pagar 10 vezes mais que a outra. A gente concorda em não ser obrigado a contratar a Telebras. Mas obrigar uma licitação é fazer com que muitas secretarias do governo não possam participar efetivamente”, argumenta o secretário executivo do MCTIC, Julio Semeghini.

Ou seja, a ideia é “não obrigar a licitação, mas permitir para quem quiser”. E especialmente permitindo que diferentes órgãos se juntem para fazer negociação direta com a Telebras. “Em vários estados, você reúne o poder de comprar para comprar banda larga em escala, o que reduz para um terço do custo de cada secretaria”, sustenta Semeghini.

“No decreto que estamos pedindo, o importante é manter o poder de compra aglutinado para reduzir custo, seja da Telebras ou de quem for. Então a gente apoia o fim da obrigatoriedade. Quem for grande comprador que puder ter escala e fazer contrato melhor, ok.  Mas estamos pedindo a possibilidade de compra direta, sem obrigação de licitação e a possibilidade de aplicar a compra conjunta com a própria Telebras”, completa o secretário executivo do MCTIC.

Segundo ele, as conversas sobre privatização de estatais existem, mas que no caso da Telebras a prioridade da pasta é ver as ações avançarem, especialmente diante do investimento feito no satélite nacional. “Já tivemos uma primeira reunião com o secretário [de desestatização, Salim] Mattar. Teremos outras, mas neste momento o foco é estruturar a Telebras e colocar os serviços em prática. A discussão de privatizar é de governo, mas isso vai ter que ser discutido. O que não podemos é deixar de oferecer já os serviços.”


Revista do 62º Painel Telebrasil 2018
Veja a revista do 62º Painel Telebrasil 2018 Brasil Digital: O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018.
Edição, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.
Clique aqui para ver outras edições

TSE discute modelo para comprar 180 mil novas urnas eletrônicas

Tribunal terá uma audiência para mostrar as especificações técnicas- hardware e software - e o modelo de aquisição dos novos equipamentos, que serão usados nas eleições municipais de 2020.

MCTIC vai cruzar dados com a Receita em novo formulário da Lei do Bem

Segundo a diretoria de apoio à inovação da pasta, foco do novo FORMP&D é a segurança. “Ideia é assegurar que quem está prestando os registros são os representantes dessas empresas”, diz a diretora Adriana Martin.

Serpro e Dataprev unificam mais de 22 milhões de contas de brasileiros

Usuários, agora, terão um único login para acessar a plataforma gov.br e as mais de 80 soluções disponíveis de governo digital, entre elas, INSS e ComprasNet. Acesso ao portal poderá ser feito por CPF, senha e certificado digital A3, que serve para pessoas físicas e jurídicas.

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.

Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

A afirmação é do presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária do Congresso Nacional, deputado Luis Miranda, do DEM/DF. "Não dá para crer que governo federal, estados e municípios façam a reforma unificada", diz.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G