Home - Convergência Digital

TST para de julgar terceirização à espera de Acórdão do STF

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 28/02/2019

A Seção de Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho suspendeu, nesta quinta, 28/2, um julgamento de terceirização da atividade de fisioterapia em hospital. Na ocasião, o colegiado acolheu questão de ordem do ministro Marcelo Brandão para aguardar publicação de acórdão do Supremo Tribunal Federal que já decidiu sobre o tema.

O caso discute se é permitida ou não a terceirização da atividade de fisioterapeutas em hospitais. O recurso do Ministério Público tem a intenção de comprovar que a fisioterapia é atividade-fim de um hospital. O recurso de Embargos do MP ocorre em relação ao reconhecimento dado pela 1ª turma do TST de que a fisioterapia é uma atividade auxiliar, e não que faz parte da organização do hospital.

Apesar de suspenso, prevaleceu entendimento do ministro Cláudio Brandão, que ao abrir divergência, defendeu que os casos envolvendo terceirização estão sendo suspensos no âmbito do TST porque ainda não se conhece o inteiro teor da decisão do STF. “Não se trata de uma situação inédita, pois o TST adotou postura semelhante quando do julgamento do tema IPCA-E”, disse.

O ministro foi acompanhado pelos ministros Augusto César Leite de Carvalho, Márcio Eurico Vitral Amaro e Hugo Carlos Scheuermann. A relatora, ministra Maria Cristina Irigoyen Peduzzi, votou pelo não conhecimento do recurso do MPT e foi seguida pelo ministro Alexandre Luiz Ramos.

O ministro Walmir Oliveira da Costa disse que já existem fundamentos determinantes da decisão do STF, que "constitui uma generalização das razões adotadas como passos necessários do STF no sentido de que a terceirização é lícita".

Em agosto de 2018, por 7 votos a 4, o Plenário do Supremo Tribunal Federal declarou constitucional a terceirização de serviços na atividade-meio e na atividade-fim das empresas. Com a decisão, cerca de 4 mil processos sobrestados nas instâncias inferiores do Judiciário estão andamento andamento.

 A discussão se deu a partir da Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho, que proíbe a terceirização. Para a maioria dos ministros, não há lei que proíba a prática nem comprovação de que essa modalidade de prestação de serviço precariza o trabalho ou viola a dignidade do trabalhador.

* Do Conjur

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

28/05/2020
STF: Fachin diz que bloqueio do WhatsApp passa pela Autoridade de Dados

27/05/2020
No STF, Rosa Weber vota contra bloqueio do WhatsApp e criminalização da criptografia

25/05/2020
TST manda Oi pagar sobreaviso para funcionário disponível pelo celular fora do expediente

22/05/2020
STF usa caso de lei paulista para cassar decisões sobre antenas no Rio, Minas e DF

22/05/2020
TST adota aplicativos de mensagens para conciliar patrões e empregados

20/05/2020
PGR é contra bloqueio nacional do WhatsApp, mas defende backdoor

07/05/2020
STF derruba MP que mandava teles repassarem dados de clientes ao IBGE

06/05/2020
STF: Falta da LGPD agrava uso de dados dos clientes de telecom pelo IBGE

24/04/2020
IBGE diz ao STF que precisa dos dados pessoais para calcular inflação, PIB e instruir políticas públicas

24/04/2020
Toffoli pede vista e adia julgamento sobre bitributação do software no STF

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

TST suspende demissões na Dataprev enquanto durar crise da Covid-19

Trabalhadores alegaram que os prazos acordados no fim da greve não terão como ser integralmente cumpridos diante da situação emergencial com a epidemia do coronavírus. 

TST: Teletrabalho tem de respeitar os contratos de trabalho

Corte aponta, no entanto, que em situações emergenciais, como a atual crise da Covid-19, a adoção da jornada online temporária prescinde formalização, mas deve respeitar leis trabalhistas. 

Coronavírus: Teles advertem que sem equipes técnicas na rua, há risco para a rede

O SindiTelebrasil está alertando Estados e municípios sobre a necessidade e urgência em manter suas equipes técnicas e os call centers em operação, ainda que de forma reduzida, para garantir a conectividade e como medida essencial.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site