SEGURANÇA

Vivo, com ElevenPaths, quer massificar Segurança da Informação

Roberta Prescott ... 14/03/2019 ... Convergência Digital

Depois de 15 anos de atuação na Espanha, a ElevenPaths, que, desde a sua aquisição em 2013, é a unidade global de segurança cibernética do Grupo Telefónica, chega ao Brasil. O anúncio foi feito pela Vivo Empresas, nesta quinta-feira 14/03. A incorporação da ElevenPaths faz parte da estratégia de expansão da telco no segmento corporativo, que, atualmente, tem 1.200 empresas clientes de serviços gerenciados de segurança no Brasil.

Sem abrir números, o vice-presidente B2B da Vivo, Alex Salgado, explicou que a segurança cibernética no Brasil está muito voltada as empresas de médio e grande portes. "Nós, obviamente, tivemos um foco inicial nas médias e grandes, mas com a automação que estamos fazendo de portfólio, associado com o time de tecnologia da ElevenPaths, o objetivo é massificar estas tecnologias e barateá-las para estarem disponíveis às pequenas empresas, que virtualmente terão condições de ter serviços muito similares ao de médias e grandes. Meu objetivo é democratizar este tipo de solução", disse o VP em coletiva de imprensa.

A ElevenPaths conectará o SOC – central de monitoramento, prevenção, detecção e solução de problemas – da Vivo a uma rede global de outros 10 SOCs do Grupo Telefónica ao redor do mundo. Além disto, a Vivo incorporará ao seu portfólio uma série de soluções de segurança, competências técnicas e certificações internacionais; e será inserida em alianças de inteligência de ameaças como CyberThreat Alliance e a Telco Security Alliance. "Passamos a ter um portfólio mais completo de segurança e a ElevenPaths tem todo compliance para LGPD. E a integração com as alianças nos permite entender padrões de ataques olhando como os dados trafegam nas redes e conseguimos colocar, como operadora, uma camada de segurança antes da segurança que vai apenas na aplicação. Esta é uma capacidade competitiva que só as operadoras têm", acrescentou.

De acordo com ele, a ElevenPaths investe continuamente em pesquisa e desenvolvimento e é responsável por cerca de 10% das patentes do grupo. No entanto, no Brasil não haverá grupo focado em P&D. Questionado sobre por que apenas agora, mais de cinco anos depois da incorporação da ElevenPaths na Telefónica, que a unidade chega ao País, o vice-presidente B2B da Vivo justificou que foi devido à demanda de mercado, que cresceu depois de ondas de ataques como o WannaCry. 

Fast para PME

Durante a coletiva, Fabiane de Oliveira Mello, gerente de produtos para segurança da informação B2B da Vivo, adiantou que a Vivo prepara para abril o lançamento de uma versão da plataforma própria que simula ataques, batizada de Faast, voltada para empresas de pequeno e médio portes.  

Venda de imóveis

Questionado sobre a especulação de venda de datacenters, Alex Salgado explicou que a Telefónica está avaliando a venda de prédios, dos imóveis e não do que tem dentro deles, inclusive no Brasil. Ele comparou este movimento à venda, há alguns anos, das torres.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Clonagem do WhatsApp já atingiu 8,5 milhões de brasileiros

Segundo pesquisa realizada pela PSafe, essa modalidade de golpe faz 23 novas vítimas todos os dias no Brasil. Quase 30% dos entrevistados colocaram o vazamento das conversas como o principal prejuízo da clonagem.

Segurança cibernética: WannaCry ainda é um perigo real no Brasil

Dados da Fortinet mostram que o País sofreu 15 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos entre março e junho e boa parte deles foi para a plataforma Windows, vulnerável à falta de atualização./p>

Custo médio de uma violação de dados é de R$ 5,4 milhões no Brasil

Empresas brasileiras levam em, média, 250 dias para identificar a violação dos dados. De acordo com o diretor de Cibersecurity da IBM, João Rocha, as organizações enfrentaram a perda ou o roubo de mais de 11,7 bilhões de registros nos últimos três anos. Ataques maliciosos custam mais do que as violações por falhas humanas.

Em maio, Brasil teve mais de 140 milhões de ameaças disseminadas por e-mail

País fica no top 3 do ranking mundial, perdendo apenas para os Estados Unidos e a China, revela estudo feito pela Trend Micro.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G